Conseguir uma menina como você

Esse é o começo de um livro que estou escrevendo. Ele se chama "A menina que queria comer o mundo"

2020.11.27 01:31 frustratedwriter15 Esse é o começo de um livro que estou escrevendo. Ele se chama "A menina que queria comer o mundo"

Parte 1: Sobre novos começos. A menina que queria comer o mundo Eu tenho um sonho recorrente, onde eu estou de frente ao oceano, as ondas batendo no meu tornozelo como uma gelada lembrança de que eu estou caindo aos pedaços e assim como o vento, eu desapareço. Me faço ar e água, eu viajo a mundos desconhecidos que são feitos de sussurros e histórias não terminadas que foram engolidas pela minha forma. Nesse sonho eu não sou feita de pedaços quebrados, eu não sou feita de beleza invisível, eu não sou feita de lágrimas derramadas em vão ou gritos ao silêncio. Eu sou de água e ar, eu mudo conforme necessário, eu sou amada incondicionalmente. Nesse sonho eu não existo. Mas então eu acordo, e estou de volta na minha cama e sentindo o sol esquentar o meu rosto, lembro o que realmente é real. Esses são os meus dias mais difíceis, na escola nada parece certo, eu fico com aquele sentimento no coração que é pesado demais pra carregar e difícil demais para explicar, são nesses dias que meus ombros abaixam e minha cabeça fica presa entre o real e o imaginário. Às vezes eu me pergunto se eu vou conseguir chegar até o dia seguinte, afinal como eu vou continuar sabendo que sou de carne e osso e existem limites para o meu ser? Eu não posso fugir, então fico presa nesse pequeno corpo que pouco significa comparado a grandeza de tudo e eu, continuo. A escola pode ser considerada um local de sentimentos mistos, lá eu consigo me superar e sinto que prenchoo um pequeno vazio de tudo o que falta em mim, mas também é lá onde ponho todo meu esforço para ser engraçada, ser compreendida e amada, é como uma constante prova onde eu tenho que passar e ganhar o respeito de todos, apesar disso eu ainda me sinto invisível. Sou um daqueles fantasmas de filme, posso ser sentida um toque ali, uma risada aqui, no entanto ninguém me enxerga, consigo ver atrás das risadas e das conversas animadas. Consigo sentir as pessoas se perguntando de onde ela surgiu? Eu continuo apesar de tudo. Eu então me refugio no meu quarto, entro no começo da noite e só saio quando o mundo fica quieto. Esse horário é perigoso, a quietude e a solidão te dão uma segurança falsa, elas contam mentiras de liberdade e falta de consequências. Esse é o momento em que eu ataco, de repente me vejo sem controle do que eu penso, sinto ou faço. Eu começo a comer, não importa o que, são poucos minutos em que o mundo me traz prazer e felicidade. Sou inundada por gostos e cheiros que me preenchem, cada lugar onde um dia foi vazio é preenchido por um sabor diferente.Salgado, azedo, doce, amargo não me faz diferença, contanto que sirva o seu propósito. Aos poucos volto a me sentir cheia até a respiração ficar difícil, e o meu corpo se sentir grande demais, assim faço o meu caminho de volta ao quarto e lá me faço a vítima de tudo o que eu acabei de fazer, e de tudo o que já fizeram comigo. Enquanto a culpa desce sobre mim eu vou adormecendo, deixando a dor se ajustar ao meu corpo, dominando tudo. Eu chamo isso de ciclo, estou presa nele, sobrevivo por causa dele, estou viva por ele e eu não sei como quebrá-lo, consigo o enganar fugir por algumas semanas, meses às vezes, mas ele sempre me acha e me traz de volta. Poucas pessoas sabem sobre ele, minha mãe foi a primeira a notar, no começo eu não quis acreditar. Afinal, como eu poderia estar me sabotando? No entanto, quanto mais as palavras ecoavam na minha cabeça, mais sentido fazia não apenas o que ela me disse, mas a minha vida inteira. Quando entendi o que ela me disse, entendi os vazios. Parecia que minha vida toda tinha sido finalmente posta em uma luz fria. No dia seguinte, a tarde fui a aula de pintura e contei pra uma pessoa, minha amiga Maria. A partir daquele momento ela passou a guardar meu segredo mais precioso, a razão da minha derrota. Não contei pra Maria sem motivo, para entender o meu porquê, você precisa entender ela. Maria é uma daquelas pessoas que emana luz e cheira a campos de flores em dias ensolarados, ela vê algo mais profundo e de alguma forma entende. Você não quer ser apenas conhecida por ela, quer ser enxergada por ela e, eu, fui. Ela viu por trás do esforço e das falsas personalidades, ela enxergou minha essência, o que quer que ela seja. Eu decidi a fazer minha confidente, guardei todos os seus segredos e ela os meus. Dessa forma, quando eu a contei sobre o ciclo e os vazios, ela não sentiu pena, não me perguntou se eu precisava ser ajudada. Não, ela compreendeu o que representava e o que significava. Acho que esse foi o primeiro dia em que eu estava completamente presente, eu não era um espírito observando todos e tentando agir de maneira certa, não, naquele dia eu existi. Pela manhã o dia não se misturava em fragmentos e borrões, eu conseguia ver os acontecimentos claramente. Ainda sim, no café o nevoeiro havia voltado, mas naquela manhã eu não me importei, porque agora eu tinha uma memória para guardar e não importava o quão escuro ficasse nada poderia tirá-la de mim. O dia seguiu normal, os momentos e as pessoas voando por mim, todas com um propósito, com um lugar para ir. Quando eu cheguei em casa, o vazio me invadiu, a noite e a sua solidão tomaram conta de novo, era como um tsunami que recuava ocasionalmente, mas sempre voltava com o dobro de força. Me arrastei até o quarto, deitei e fechei meus olhos e por uma hora imaginei praias brancas com as ondas indo e voltando, imaginei o ar da montanha batendo na minha cara e grandes florestas me rodeando, imaginei um campo florido com uma brisa leve me abraçando, imaginei um lago fundo e gelado, imaginei ser feliz e quando eu não consegui mais imaginar eu fui pra cozinha. Apesar de ter sido a primeira a notar, minha mãe nem imagina que eu ainda estou presa no ciclo, com muito esforço eu convenci ela de que eu melhorei. Meu último desejo era preocupar ela. Nós vivíamos sozinhas, meu pai desapareceu quando eu ainda era pequena e desde então a casa ficou vazia e o escritório foi ocupado por várias noites em claro. Meu pior dia foi uma noite fria de julho, a casa vazia fazia o meu coração arder e como uma tempestade de verão eu fui arrastada até a cozinha. Quando cheguei lá não consegui parar, eu estava no olho do furacão e assim eu comi, e comi e até os meus olhos arderem como o meu coração, e minha respiração ficar fraca eu não parei de comer. Eu acordei na minha cama no dia seguinte. Minha mãe já trabalhava na cadeira do meu quarto, e assim que percebeu que eu estava acordada ela apertou minha mão e me deu um olhar de pena. Eu nunca me senti tão inferior e envergonhada como naquele dia. As aulas de arte eram a minha salvação, meu porto seguro. Por arte você não precisa descrever sua dor, não precisa explicar, a dor só precisa ser sentida. O pincel passou a contar meus segredos, ele coloriu minhas cicatrizes e enfeitou a névoa. A arte era única parte minha, que não havia sido tocada pelo ciclo ou pela dor, ela era meu pequeno presente e eu a guardava com todo o meu ser. Como você já deve ter reparado, Maria é minha única amiga. E eu não digo isso para ser engraçada, apenas conto a verdade. Eu já estava acostumada e por mim nada precisava mudar. Quando uma das meninas se aproximou de mim na escola, eu não dei muita importância, eu não sou uma pessoa falante e em pouco tempo ela desistiria de mim. Mas recreios viraram almoços, e almoços viraram tardes na companhia dela. Por algum motivo ela não necessitava que eu conversasse, ela fazia isso por mim. O nome dela era Esther, de acordo com o que eu conseguia ouvir ela viraria uma arquiteta e pretendia fazer a casa de várias celebridades. Esther virou uma constante na minha vida. Quando eu fui parar no hospital, minha mãe e Maria já não estavam mais na companhia uma da outra, Esther estava lá e iluminava o quarto com suas conversas animadas e gargalhadas feitas de música. Esther tinha uma vida, um namorado e dois pais, ela morava perto da escola e pretendia se mudar quando se formasse. De acordo com ela eu tinha muita sorte de ser acolhida por ela. Eu não discordava, eu realmente tinha sorte. Esther era como um anjo caído do céu, a sua pele é da cor da noite e brilha quando o sol bate nela, os seus cabelos são grandes e cacheados e ela ama por ele em penteados. Ela ama abraços e consegue me deixar sem graça toda vez que me beija na bochecha para me dar tchau, eu não sou boa em demonstrar amor. Você deve estar se perguntando qual é o meu nome, ele é estranho, mas minha mãe o ama porque ele significa divina e pra ela eu sou completamente divina. Meu nome é Diana, ele não combina comigo, mas eu gosto de imaginar que em outra vida eu realmente fui divina. É tão estranho como pequenas coisas fazem diferença na nossa vida. Um sanduíche a mais, domingos sonolentos e ensolarados, uma amiga a mais, um beijo. No dia 15 de abril meu mundo brilhou, uma coisa dentro do meu coração foi acordada, algo que eu não sentia há muito tempo. Nesse dia, eu e Maria fomos visitar Esther, era aniversário dela e a ideia de festa dela era nós duas e seu namorado. Maria gosta de ser pontual, então chegamos 10 minutos mais cedo, ela segurava uma bandeja cheia de biscoitos e eu segurava a pintura que eu havia feito pra ela de presente, ela merecia, 17 não é uma idade fácil de chegar. A casa de Esther não era muito grande, mas também não era pequena, ela tinha um quintal e até o ar parecia diferente aqui, como em um filme. Andar pela casa dela era como ver o que sua vida deveria ser, a casa dela parecia ser tirado de um poster do prédio do serviço social. Quando entramos no quarto dela a felicidade se foi, eu nunca me senti tão desconfortável como quando vi Esther chorando. Enquanto eu entendia o que estava acontecendo, uma raiva também descia sobre mim, porque ninguém jamais deveria machucar Esther. Após alguns copos de água, finalmente conseguimos descobrir que seu término era o motivo do choro. Ele tinha arranjado uma menina melhor, de acordo com ela e ele tinha decidido que hoje era o dia ideal para contar-lá. Eu não me lembro de muito depois disso, os sons e as vozes viraram um só. Tudo o que eu conseguia ouvir era minha raiva, eu me sentia um vulcão prestes a explodir, como alguém ousava machuca-lá? Por que as pessoas eram tão cruéis? O que eu, ou Maria ou Esther havíamos feito para merecer tanta merda? A raiva borbulhava por baixo da minha pele e eu precisava socar alguém. Aos poucos decidi que eu não tinha força suficiente para socar alguém, invés disso pela primeira vez em meses eu decidi falar. - M...Man..Manda ele sse fuder. Foi a primeira vez que falei na frente de Esther, ela me olhava com os olhos arregalados, enquanto Maria colocava o copo de água no criado-mudo. -Você fala! Eu estava prestes a começar aula de sinais - ela falou com um sorriso no rosto, enquanto me encarava, eu apenas acenei com cabeça e soltei uma risada baixa. Eu nunca tinha passado um dia como aquele, só nós três comendo besteira sem culpa, elas conversando enquanto eu observava e ria eventualmente. Nesse dia eu descobri o que era felicidade. A noite veio rapidamente, e levou Maria com ela para sua casa, no entanto eu decidi segurar aquele sentimento e dormir na casa de Esther. Eu estava com medo, as noites não eram meus momentos mais fáceis, ainda sim eu queria pelo menos uma vez na minha vida falar que eu fui verdadeiramente feliz. Nós comemos e assistimos um filme, e por fim Esther quis ir até o seu quintal. Enquanto observamos o céu, uma tristeza desceu sobre mim, não era a tristeza que eu estava acostumada, mas sim uma saudade antecipada do sentimento que preenchia meu coração, eu queria poder congelar esse momento, mas ele escorregava aos poucos pelos os meus dedos. - Eu sei que minha vida parece perfeita, mas às vezes eu me pergunto se eu mereço isso, sabe? Eu nem sei se eu sou uma boa pessoa, alguém me ama? - Isso me pegou de surpresa, porque pra mim não existia uma versão dela que não fosse amável, para mim ela era tudo que existia de amável no mundo. - Eu te amo - eu sussurrei e peguei sua mão na minha, enquanto as palavras caíam sobre ela, eu decidi que era amar ela o que me fazia uma pouco mais próxima da luz. Se ela era tudo de amável no mundo e se eu era a única que a amava, então eu também era mesmo que só um pouco. Certos momentos ficam marcados na sua memória, eles não sempre fazem sentido, mas são esses pequenos momentos que te trazem de volta, quando o oceano tenta te puxar e te afundar, essa noite foi um desses momentos. Nada grande aconteceu, nada especial, eu não virei uma pessoa diferente, ainda sim eu nunca esqueceria o cheiro de grama molhado e calor dos dedos dela entre os meus, se isso era felicidade eu nunca mais queria largar-lá.
aqui vc encontra tudo que eu já escrevi, até agora
submitted by frustratedwriter15 to EscritoresBrasil [link] [comments]


2020.11.15 15:24 XRafao1995 MINHA EX ESTÁ COM CÂNCER.

Fala galera! Vou contar a vocês uma história que rolou comigo e com minha primeira namorada... Eu a conheci na escola éramos amigos e logo após um tempo começamos a namorar, era meu primeiro namoro e tal, eu não era ciumento na época eu tinha meus 15 anos, e deixei ela bem a vontade, nós nunca brigamos, nunca discutimos era bem saudável, um certo dia ela me disse que iria encontrar uns amigos da antiga rua que ela morava, e como eu não era muito chegado nesses amigos por falta de interesse falei que tudo bem. O tempo foi passando e um certo dia eu estava aqui em casa e ela chegou sentou do meu lado e disse que precisava conversar comigo. Foi quando ela me falou que queria terminar comigo, levantou e foi embora. Eu fiquei bem mal, meu primeiro relacionamento não tinha o porque terminar nunca brigamos e tal, eu decidi correr atrás dela e nada. Até que um dia ela me contou que foi diagnosticada com câncer que ela foi no médico com a tia e que nem a mãe sabia ainda, pediu pra que eu não contasse a ninguém, isso quebrou meu coração que já estava partido. Fiquei bem mal, nao conseguia estudar não conseguia comer direito, não tinha ânimo pra sair da cama. Mesmo assim tentei insistir. Fui na casa dela um dia e estava só ela, Matei aula e fui. chegando lá entrei e comecei a conversar com ela quando de repente toca a campainha e ela vai atender (a mãe dela tava no trabalho) ela começa a demorar no portão. Quando eu vejo ela estava no portão com um menino que morava na rua dela antiga. Eu só lembro de esperar ele ir embora pegar minhas e ir também. (Essas tentativas de reconciliações rolou tudo em uma semana) Na mesma semana voltei na casa dela e lá Estava a mãe dela. Eu não queria contar nada a mãe dela mas meus olhos encheram de lágrimas e eu não aguentei contei que a filha dela me Contou que estava com diagnóstico de câncer e terminou comigo porque não queria me ver sofrer e tudo mais. A mãe dela olhou pra mim e disse “ela não tem nada, ela não foi em médico algum ela mentiu pra você e eu não sabia dessa história.” POIS É, ELA INVENTOU QUE TINHA CÂNCER PRA TERMINAR COMIGO. Na semana seguinte era aniversário de uma amiga nossa em comum. Lembro como se fosse hoje, cheguei na festa de 15 anos e lá Estava minha ex abraçada com outro cara que morava na rua dela. SIM O AMIGO DA ANTIGA RUA DELA.
Ficamos anos sem nos falar. Até que um dia recebi uma mensagem no Facebook dela anos depois me Pedindo perdão pelo que fez comigo e com minha família na época. Essa história fodeu muito meu emocional na época a fiquei uns 3 ou 4 anos sem conseguir me relacionar com alguma menina.
Esse foi o meu relato do meu primeiro relacionamento, se quiserem saber mais deixem aí em baixo nos comentssssss
submitted by XRafao1995 to desabafos [link] [comments]


2020.11.03 19:29 naonaonaosim Aos 41 anos comprei a primeira parte da minha alforria.

Meu nascimento foi bastante comum, em nada diferindo de outros brasileirinhos. Cometi o pecado mortal (para brasileiros, acho que se eu fosse sueco tava beleza) de ser introvertido, esquisito e caladão diziam. Nasci numa periferia braba e numa família simples, pais que estudaram muito pouco, mas que tinham uma determinação de ferro para que eu tivesse uma vida melhor (muito obrigado pais).
Infância (0 a 10): pré internet né, ir pra escola, assistir tv, jogar bola, soltar pipa, bola de gude, pião. Tanto meu pai quanto a minha mãe trabalhavam bastante, então fui criado bastante solto. Nunca liguei para os estudos, então ia a escola apenas pra aprontar, na vizinhança era também o terror, um capeta em forma de guri huehue. Lógico que apanhava bastante, mas nunca era exagerado ou injusto, sempre merecido.
Adolescência (10 a 20): aqui a coisa começa a degringolar. Acho que essa fase é complicada na vida de qualquer pessoa, começar a abandonar a infância e pensar na vida adulta é sempre complicado. Começam a se formar "tribos", meninos e meninas começam a se enxergar de forma diferente. Meu desempenho na escola que nunca foi bom começa a piorar, por ser calado e diferente me torno a vitima perfeita e começo a ser perseguido. Brigas e humilhações fazem eu repetir a 7º série duas vezes. Minha falha em me adequar tanto nos grupinhos do colégio quanto nos primeiros romances fazem meu coração endurecer e eu começo a me enxergar como um lobo solitário.
Só consigo estudar quando troco de colégio, eu mudo pra um colégio bem longe de casa. Era um colégio que apesar de ser público ficava num bairro muito melhor do que eu morava. Eu não virei um extrovertido, mas apenas o fato de não me baterem e não me humilharem já era ótimo. Conseguir enxergar que existiam outras realidades além da do meu bairro também ara ótimo.
Eu ainda não me encaixava e isso piorou, pois o pessoal dessa nova escola vinha de uma realidade diferente da minha. O que melhorou foi a minha habilidade de lidar com isso. Sabe aquela história de seja você mesmo, esqueça, adapte-se e seja quem as pessoas esperam. Eu era uma espécie de agente duplo, não podia levar minha realidade de casa para a escola e não podia trazer a realidade da escola para meus amigos de infância. Ver essa nova realidade também me modificou, comecei a prestar mais atenção nos estudos, ter mais ambição de uma vida melhor, o que culminou em eu passando para cursar uma escola técnica junto com o 2º grau.
Jovem adulto (20 a 30): por um curto período de tempo parecia que tudo ia dar certo. Adorei o curso técnico, fiz bons amigos, o lado amoroso não tinha rolado, mas foda-se, algum dia vai rolar naturalmente eu pensei. Comecei até em pensar em fazer faculdade, apesar de apenas um primo da parte mais rica da família ter feito. Na época não existia cota e nenhum tipo de financiamento, como meus país não tinham condições de pagar uma particular eu fiz inscrição apenas para a pública do meu estado.
Passei na faculdade, mas o sonho se transformou rapidinho em pesadelo. Lembram que eu falei que nunca tinha me importado com estudo? Isso nunca foi muito problemático na minha vida de estudante pois é cobrado o mínimo de mínimo. Na faculdade é diferente, é onde o filho chora e a mãe não vê. Toda aquela falta de base nos estudo voltou e voltou dando uma voadora na minha cara.
Depressão e desanimo, passei dois anos na faculdade e não passei em quase nenhuma matéria. Outros alunos desistindo em massa. Eu fraco e abatido, encolhido e vencido. Então espartano você vai desistir? Era uma encruzilhada, ou eu desisto e vou procurar outra coisa pra fazer da vida ou eu continuo. Escolhi continuar. Mas façam as contas, eu já tinha perdido 2 anos na 7º séria, 1 ano no técnico que era mais longo que o 2º grau normal e agora mais 2 anos na faculdade. Ou seja, eu ia me formar velho e não seria do topo dos formados e sim da raspa do tacho. Perspectivas nada boas para conseguir emprego. Já que eu estava estudando como nunca na vida decidi canalizar todo meu foco e meus esforços em provas de concurso. Virei uma metralhadora de fazer provas, enquanto ainda estava na faculdade. Passei em diversos concursos e escolhi um deles 6 meses antes de terminar a faculdade.
Adulto (30 a agora): antes tarde do que nunca comecei a construir minha vida. Agora as pressões são outras, compre o melhor carro que você puder, faça o financiamento imobiliário mais longo que puder. Em cada fase de vida aparecem essas armadilhas que servem apenas para te escravizar. Mesmo sem ter esse tipo de exemplo próximo eu tive sorte de ler Pai rico, Pai pobre e mesmo ganhando um salário bom eu saí de casa alugando a coisa mais barata que eu consegui e andando de moto. Procurei levar uma vida simples e economizar e investir o restante. Agora aos 41 anos eu atingi a marca de 1 milhão de reais em ativos financeiros. É apenas um número e com certeza não é a liberdade irrestrita, mas é uma conquista boa pra um cara com capacidades limitadas.
Lições que eu tiro da minha vida até aqui:
submitted by naonaonaosim to desabafos [link] [comments]


2020.10.28 00:47 lauraahuman Eu odeio minha avó

Desde que eu era criança, eu nasci em uma camada bastante privilegiada da sociedade e dentro de uma igreja,que, particularmente eu não me identifico, então basicamente a família sempre foi a coisa mais importante e valorizada pelo ambiente no qual eu cresci. Meus pais nasceram em cidades muito pequenas e vieram pra uma “cidade grande” tentar a vida, e se hoje eu tive uma educação de qualidade e uma vida extremamente confortável, eu devo tudo para eles, que sempre me ensinaram o valor da educação e que o dinheiro não nascia em árvore. Eu sou filha única e como o resto da minha família mora longe, nós sempre fomos só nós 3 e mais ninguém. Minha mãe nasceu em uma casa extremamente abusiva, a mãe dela batia e torturava psicologicamente os filhos em um nível que, minha mãe era uma criança com sobrepeso, e uma vez, minha avó a levou para comprar um sapato, um sapato branco não cabia no pé da minha mãe e a minha avó esmurrou tanto os pés da minha mãe que ficaram tão machucados que até hoje ela não usa sapatos brancos. Ela realmente faz questão de deixar claro que não se importa com os filhos, e sim com os irmãos dela, ela chegou a falar que os filhos estão ali apenas para servi-la. Quando meu tio era mais jovem, ele acabou engravidando uma moça e minha avó acabou por se responsabilizar pela menina e adivinhem? Ela trata essa neta como a mais especial do mundo, enquanto os filhos e o resto dos netos são tratados com desdém. Não me leve a mal, eu gosto muito dessa prima e ela é bastante esforçada e bastante gentil, mas minha avó é capaz de tirar algo de mim para favorecer ela. Como toda criança, eu queria uma avó que se apegasse à mim, e que fosse amável, como tantas avós que eu vejo na internet, mas ela nunca mostrou nenhum sentimento de afeto, nunca me deu um presente bom, sempre me dava uma roupa com a etiqueta escrito “15 reais” sendo que ela tem condições de me ter dado algo melhor. Você deve pensar que se ela age assim com os filhos, com os genros deve ser pior. Bem, parte disso é verdade. Meu pai é o favorito dela, ela sempre compra coisas que ele gosta de comer quando vamos visitá-la, e sempre diz que ele é como um filho pra ela, mas meu pai é o cara mais tranquilo que eu já conheci, e ele basicamente escuta tudo o que ela fala de ruim sobre todo mundo e apenas ignora e diz “Sim, verdade, poxa que pena”, mas com os outros genros não é assim: minha tia fugiu de casa para casar com um homem não muito legal, e quando a filha mais velha deles, com oito anos, morreu de leucemia, ela não fez questão de ir ao funeral, e ano passado, quando o marido dela morreu, ela nem ao menos fez uma ligação para consolá-la. Já com o meu tio, ela fez de tudo pra ele se divorciar de sua esposa, e mesmo depois de ter conseguido isso, ela ainda inferniza a vida da mulher que já está casada com outro filho. Além do mais, eu, tenho muitas opiniões políticas e religiosas que divergem com ela, digamos que ela basicamente acredita no facebook, e qualquer coisa que ela vê lá, ela toma como verdade, ela é facilmente influenciada por religiosos que se colocam como deuses. Ela nunca vinha nos visitar, ela veio uma vez no meu aniversário de 6 anos e foi embora no dia seguinte. Ela se propôs a cuidar da minha bisavó com alzheimer e maltratava ela, ignorava o que ela ouvia, gritava com ela, e colocava ela pra tomar banhos quentes no verão. Meus pais dizem que eu deveria aprender a conviver com ela, mas francamente, eu não vejo ela como alguém da minha família, não tenho carinho ou laços com ela, não sinto nada além de indiferença, e realmente ela sempre englobou TUDO o que eu odeio em uma pessoa: alienação, narcisismo, traços abusivos, seletividade e imparcialidade. E eu não vejo ela como minha avó, ela nunca se dispôs a cuidar de mim, e deixou minha mãe sozinha cuidando de mim enquanto meu pai ia trabalhar, e ela não vinha porque ela simplesmente NÃO QUERIA, não era falta de tempo nem de dinheiro, ela simplesmente nunca se importou. Meus pais querem chamar ela pra passar três dias em casa, e eu disse que não vou fazer questão de rebater as ideias mirabolantes que ela acredita, e que se ela nos desrespeitar, eu não vou tolerar, pois ela está dentro da nossa casa, a casa que a gente levou 1 ano e meio para construir, do jeito que a gente quis e que meus pais trabalharam tanto pra que ficasse a casa mais perfeita, e eu não quero ela aqui dentro pra ficar desdenhando do que meus pais batalharam pra conseguir, porque as pessoas que ela ama e protegem não podem ter.
submitted by lauraahuman to desabafos [link] [comments]


2020.10.21 03:03 PegsBr Um pensamento meu (nada triste, mas intrigante)

Eu sempre fui de pensar muito e então eu tive pensando um pouco sobre isso esses dias e basicamente aqui vai: só eu que acho que o mundo ta meio louco e as pessoas estão cada vez mais se guiando por extintos? Bem, lembrando que eu tenho 17 anos, então não falo pelos adultos nem nada do tipo, mas pelo povo que ta nessa faixa etária, mas de qualquer forma, aqui vai o que me fez chegar a essa conclusão. Na escola eu vejo muita gente falando de depressão e tristeza e então tem o setembro amarelo que todo mundo se apoia e envia cartas pra todo mundo e tudo mais. Mas em um dia qualquer, eu vi uma menina que não é amiga minha chorando no meio da sala e era algo extremamente perceptível. Eu olhei pros lados pra ver melhor a situação e ninguém ligou, nem as "amigas" dela. Eu sou um cara extremamente tímido, mas eu não podia deixar aquilo de lado e então, por mais que eu tenha passado uma dificuldade danada pra isso, eu consegui criar a coragem pra pelo menos mandar uma mensagem pro whatss dela perguntando se ela precisava de um papo ou algo do tipo e ela viu na hora a mensagem, como se estivesse esperando no desespero alguém, mas então quando ela viu que era eu, ela falou que não precisava mas que ficou feliz em saber que eu me preocupei. De qualquer forma, uma coisa similar aconteceu em um ponto de ônibus, quando eu estava lá esperando pra pegar um interurbano pra ir pra casa. Tinha uma mulher chorando do meu lado e eu tava em um banco pequeno, mas cheio, com umas 6 pessoas, aproximadamente e vou resumir, novamente a mesma coisa, demorei alguns minutos pra conseguir criar coragem pra falar com a mulher enquanto todo o banco cagava pra existência dela. No fim das contas a mãe dela tinha morrido e ela tava triste e eu fiquei batendo um papo com ela e talz pra tentar dar uma alegrada na vida dela. Cada vez a gente vê pessoas mais tristes, mas é como se ninguém se importasse com ninguém e essa hipocrisia me deixa meio abismado, impressionado como que o ser humano consegue ser assim. Outra coisa que me faz acreditar que eu sou um E.T é, por exemplo, as redes sociais. Sério, as vezes eu vejo pessoas falando, olha quantos likes eu ganhei, olha como que eu fiquei lindo(a) nessa foto, fora quando falam, fulano é popular e todo mundo gosta dele. Idai? Que q vc ganha sendo popular? Que nem quando pessoas tiram foto ostentando um prato caro e recheado de merda que eu nem sei o nome, idai? Pra que que você precisa dessas coisas, de likes de uma apreciação temporária superficial, pq a pessoa não ta te apreciando, ela ta apreciando o seu dinheiro, ou a sua fama, sla. Outra coisa que eu vejo é nos "relacionamentos". Direto eu vejo meus amigos falando entre si, olha que mina gostosa, olha que gata, que peitão, ou então, nossa peguei (qualquer nome) e ela era linda e caralho a 4. Cara, qual a graça disso tudo, eu realmente não consigo entender, será que o seu instinto te guia tanto assim? Pq eu não vejo gente falando, eu procuro uma pessoa boa ou semelhantes. Nesses últimos dois anos me apaixonei por duas garotas (e falhei, mas tamo ai kkkk), sendo que uma era baixinha loira do olho azul e outra era mais alta que eu até, do cabelo escuro e olho castanho, duas pessoas com perfis totalmente diferentes, mas eu gostei do que elas eram, da forma que elas viam o mundo e as pessoas, mas eu não vejo ninguém que valorize isso, parece que o mundo virou uma roda de putaria e troca troca. Sabe, eu não to sofrendo de amor, por mais que pareça, mas o que eu digo é, parece que o ser humano em sua essência, a pessoa em si, vem se tornando cada vez mais insignificante e o que importa não é você, mas o exterior a você, o que você tem, veste, come, seus olhos, corpo e afins. Só eu que acho esquisito esse superficialismo?
submitted by PegsBr to desabafos [link] [comments]


2020.10.18 05:00 PetterGold776 3 Anos vivendo com um amigo tóxico

Eu sou um cara bem novo, que nunca teve muitas amizades e passou por tudo isso despercebido, Eu fiquei por 3 anos sendo amigo de uma pessoa tóxica.
Gostaria de informar aqui depois de escrever tudo, que o texto é extremamente longo e algumas partes podem ser demoradas e chatas, não te culpo caso queira pular para o TL;DR do final aonde é uma versão mais resumida.
Eu gosto de ser elogiado e quero que outras pessoas sintam o mesmo, portanto eu elogio um amigo meu quando ele faz algo que ele considere importante e gosto de sentir que ele está feliz por causa do meu elogio, só que por 3 anos eu conversava e me importava com esse tal amigo (vamo chamar ele de V) que nunca se importou de verdade comigo ou coisa do tipo, eu só servia para fazer ele rir e um saco de pancadas emocional, não importava o que, se eu perdia em algo ele praticamente ria de mim, se eu vencia em algo eu nunca ganhava o mínimo de reconhecimento, e se eu era melhor que ele ficava irritado e me chingava, e se eu o elogiava ele só ficava se exibindo mais e mais como uma forma de ganhar atenção, ele praticamente me fazia me sentir errado em tudo.
Por que eu não larguei ele ou eu percebi que ele era um escroto comigo? Porque eu não sabia de mais ninguém que eu conseguisse fazer rir tão facilmente, eu por ser uma pessoa que basicamente se importava mais com a felicidade momentânea dos outros mais do que a minha própria felicidade, e por não saber o que era uma amizade normal ou o que era uma amizade tóxica eu achava que eu tava vivendo no paraíso. Eu sempre via outras pessoas como youtubers com amizades perfeitas, mas na minha cabeça eu não dava muita bola e pensava que eles também sofriam da mesma coisa, eu ignorava quando esse pensamento via a tona.
Por 3 anos, praticamente todo o dia era o mesmo, era tentar fazer ele rir e no final do dia sair estressado por causa de briga, coisa que ele conseguia ignorar em 4 segundos, por que esse era o objetivo dele, era me fazer ficar estressado! Eu por me preucupar demais com a felicidade dos outros, acabava que eu fico extremamente ansioso e estressado quando eu ferro com alguma coisa ou faço com que alguém fique irritado. Eu cheguei a ter que falar comigo mesmo por uns 3 ou 5 mêses durante uma depressão, porque eu era a única pessoa que eu conseguia falar sem me estressar e rir sem peso na consiência. Essa depressão ocorreu por causa que eu ferrei com a oportunidade de sair com uma menina que eu gostava, que também gostava de mim, e não somente ela saiu com um cara umas 3 ou 4 semanas depois, como eu não podia contar pra esse meu amigo por que ele iria rir da minha cara, e depois de 1 ou 2 anos, quando eu finalmente contei sobre essa história pra ele adivinha o que aconteceu? Pois é.
Uma das piores coisas é que eu tinha um outro amigo (chamar ele de C) que também era envolvido com esse V, e que eu infelizmente descontava uma parte do estresse nele, já que não tinha outra válvula de escape pra mim. Eu óbviamente não estava certo e é uma coisa que vai me marcar (não no bom sentido) por um bom tempo, mais pra frente eu me toquei do que eu fazia depois de zoar e muito com a cara dele, chegava ao ponto em que eu não conseguia ter uma hora de paz só de lembrar do que eu tinha feito. Hoje em dia eu faço de tudo pra tentar me desculpar de alguma forma, mesmo ele falando que não se importa.
Um rápido resumão aqui por que já ta ficando muito longo, ele me apresentou um outro cara (vamos chamar de G, relaxa eu ainda vou usar esses nomes) que realmente me tratava como um ser humano e não como um senhor de engenho pra um de seus escravos. E que pra mim foi algo muito diferente, como assim alguém que tem conversa com outra pessoa e ouve ela, sem o puro objetivo de ignorar o que ela tem pra falar só pra reduzir ela e esperar um elogio??
Logo toda aquela gritaria e pressão foi demais e eu resolvi parar de jogar com eles, pois eu me sentia entediado de tudo, não somente por que jogavamos o mesmo jogo todo o dia, mas porque do que adianta fazer algo sendo que eu sempre vou ser um lixo?
Tudo isso foi exclarecido quando a gente jogava um RPG, uma exessão que eu fazia entre os jogos que nós jogavamos, pois ainda não tinha toda a graça removida 100% por causa do V. Esse RPG tinha mais outras duas pessoas que eu não conhecia muito bem, e uma delas falou brevemente sobre um RPG que o Cellbit tava fazendo. Eu na época sem mais nada pra fazer resolvi ver, e comecei a me questionar mais e mais sobre "...eu realmente tenho um amigo, ou uma pessoa que me quer morto?", eu entendi finalmente, que todas aquelas pessoas a minha volta, por mais chato que eu seja, gostavam dos meus elogios, e me elogiavam quando elas podiam, TODAS menos o V, esse ai aqueria era que eu fracassasse mais e mais só pra rir de mim.
Mesmo que ninguèm ali se importava ou me conhecia muito bem, eu sentia querido de alguma forma e quis mudar pra melhor, to tentando ao máximo fazer cada um deles uma pessoa especial e estou tentando agradecer o máximo que eu consigo.
No dia do meu aniversário, eu quis aproveitar e jogar com o G e somente o G. Um tempão depois do jogo, tipo 1 ou 2 horas, o V começou a me chingar só que dessa vez ELE era o estressado, perguntei pro G o que ouve e por que do V estar me chingando tão frenéticamente do nada, e G me explicou que era por que eu tinha jogado sozinho com G, e dai quando o G estava falando sobre isso para o V, o V questionou sobre o por que G ou eu não convidar ele e a resposta do G foi "hora, porque você é chato.", e SOMENTE ESTAS PALAVRAS foram o suficente para o V ficar de birra e tentar me confrontar. Ele falava algo como "O PoRqUE VocÊ nÃo me ConVIDa ParA aLgO Que vOCê SaBE que eu GoStO?!", eu usei o argumento de "então porque vocês não me convidam e falam em call por privado?", e ele me respondeu com um "PorQUe VoCÊ é ChaTO !".
Por mais que eu achasse errado, eu me sentia feliz por finalmente conseguir pelo menos fazer ele sentir uma pequena doze de todo o estresse que ele tacou na minhas costas por 3 anos sem erguer um dedo sequer na direção dele, mesmo eu sabendo que estava correto não quis continuar, por que era capaz de ele espalhar coisa destorcida para as outras pessoas que REALMENTE importam, então eu só falei um "desculpa", pra ele pelo menos achar que eu me sinto errado.
Eu não sei se G estava falando a verdade ou só foi uma resposta pro V calar a boca, mas se ele também acha o V chato, pode ser um passo e tanto. Eu não quero colocar niguém como o C ou as outras pessoas do nosso antigo RPG no meio dessa minha treta toda, e acabo tendo medo de estragar minhas amizades com eles por ser muito chato e não jogar praticamente nada, ou por eu dar ficar de saco cheio do V e por eles serem amigos do V por mais tempo, achar por estinto que ele é o coitadinho, pelo o que eu vi, até agora eu sou o único saco de pancada emocional dele, mas se esse cara tentar mecher com o C ou com o G eu vou defender eles com unhas e dentes, por que é o mínimo que eu posso fazer.
Eu acho que gosto de uma menina que o V, la no passado disse que eu me daria muito bem, nós nos conhecemos brevemente pelo RPG e nós nos conversamos as vezes nas raras ligações que eu faço no grupo até hoje. Tenho medo de estragar com uma futura amizade já que somos somente conhecidos ou até mesmo do karma, mesmo já tendo passado por algo mil vezes pior do que seria a resposta do mesmo.

TL;DR: Vivi com um amigo tóxico do meu lado por 3 anos que me tratava como um saco de pancadas emocional, e depois de tanto tempo eu finalmente percebo no que ele me tornou e o modo que ele me tratava, e estou tentando consertar todas as besteiras que eu fiz enquanto estou caminhando num campo minado, aonde posso perder todas as futuras amizades em potencial que tenho se fizer qualquer besteira relacionada a elas, e aonde eu não posso esperar por muito tempo pois posso perder contato.
submitted by PetterGold776 to desabafos [link] [comments]


2020.10.05 05:48 JamesFletcherBR Meus país querem que eu faça faculdade, porém...

Quero passar pra uma pública renomada ou ter condições de estudar em uma particular com nome no mercado. Porém não consigo estudar e nem tenho condições de pagar uma mensalidade altíssima em uma particular.
Também não estou em uma fase boa da minha vida: Ansiedade, traços de depressão, possivelmente ADHD. Na escola não fui um bom aluno, era bem vagabundo. Só queria saber de jogar videogame ou de conseguir pegar alguma menina. Não fiz um bom ensino médio, pois na época estava começando a fazer amigos e engatinhar uma vida social, que era algo que sempre sonhei. Então fiquei encantado, saia todos os dias. Pra vocês terem ideia, acho que pouco antes do 3º ano, eu mal sabia da existência de faculdade pública, e de que você precisava prestar um vestibular pra passar pra elas. Eu não pensava em estudar pra passar pra uma boa faculdade, não era minha propriedade. Como falei, eu estava encantando com a vida social, era algo que eu nunca tinha tido antes.
Então, por tudo isso, tem muita coisa que não aprendi e vou ter que aprender do zero. Me dei conta da importância do estudo tarde demais. e fico muito triste por isso...
Infelizmente sou muito orgulhoso. Acho que não vou conseguir estudar em uma “Uniesquina”, pois meu círculo social atual é composto por alunos das melhores faculdades do país, de cursos concorridíssimos. Todos de muita leitura e estudo. Me sinto um LIXO perto dessas pessoas. Mas infelizmente é oque eu “atraio” pra minha vida, afinal, tem compatibilidade. Acontece que eu não li vários livros que eles já leram, e tem muita coisa que eu não sei por não ter estudado enquanto não estava na escola. E as vezes acontece de certas pessoas desse grupo quererem me humilhar, fazendo alguma pergunta pra mim de um acontecimento histórico, e infelizmente as vezes acontece de eu não saber ou simplesmente não lembrar a resposta. Odeio pessoas arrogantes que gostam de parecer inteligentes, que em conversas descontraídas tentam demonstrar conhecimento, intelectualidade... confesso que as vezes sinto vontade de socar a boca dessas pessoas. (Pelo amor de Deus, não vai me downvotar por isso né?) Não quero ficar para trás, quero estar no mesmo nível, ou até mesmo acima, dessas pessoas.
Enfim amigos, preciso de ajuda. Me ajudem!
submitted by JamesFletcherBR to desabafos [link] [comments]


2020.10.05 05:46 JamesFletcherBR Meus país querem que eu faca faculdade, porém...

Quero passar pra uma pública renomada ou ter condições de estudar em uma particular com nome no mercado. Porém não consigo estudar e nem tenho condições de pagar uma mensalidade altíssima em uma particular.
Também não estou em uma fase boa da minha vida: Ansiedade, traços de depressão, possivelmente ADHD. Na escola não fui um bom aluno, era bem vagabundo. Só queria saber de jogar videogame ou de conseguir pegar alguma menina. Não fiz um bom ensino médio, pois na época estava começando a fazer amigos e engatinhar uma vida social, que era algo que sempre sonhei. Então fiquei encantado, saia todos os dias. Pra vocês terem ideia, acho que pouco antes do 3º ano, eu mal sabia da existência de faculdade pública, e de que você precisava prestar um vestibular pra passar pra elas. Eu não pensava em estudar pra passar pra uma boa faculdade, não era minha propriedade. Como falei, eu estava encantando com a vida social, era algo que eu nunca tinha tido antes.
Então, por tudo isso, tem muita coisa que não aprendi e vou ter que aprender do zero. Me dei conta da importância do estudo tarde demais. e fico muito triste por isso...
Infelizmente sou muito orgulhoso. Acho que não vou conseguir estudar em uma “Uniesquina”, pois meu círculo social atual é composto por alunos das melhores faculdades do país, de cursos concorridíssimos. Todos de muita leitura e estudo. Me sinto um LIXO perto dessas pessoas. Mas infelizmente é oque eu “atraio” pra minha vida, afinal, tem compatibilidade. Acontece que eu não li vários livros que eles já leram, e tem muita coisa que eu não sei por não ter estudado enquanto não estava na escola. E as vezes acontece de certas pessoas desse grupo quererem me humilhar, fazendo alguma pergunta pra mim de um acontecimento histórico, e infelizmente as vezes acontece de eu não saber ou simplesmente não lembrar a resposta. Odeio pessoas arrogantes que gostam de parecer inteligentes, que em conversas descontraídas tentam demonstrar conhecimento, intelectualidade... confesso que as vezes sinto vontade de socar a boca dessas pessoas(Pelo amor de Deus, não vai me downvotar por isso né?). Não quero ficar para trás, quero estar no mesmo nível, ou até mesmo acima, dessas pessoas.
Enfim amigos, preciso de ajuda. Me ajudem!
submitted by JamesFletcherBR to brasil [link] [comments]


2020.09.30 14:08 bebedisco Pela primeira vez na minha vida eu penso em fazer outra coisa ao invés de ser artista, culpa desse governo e da pandemia.

Olá. Sou Beatriz e sou ilustradora, dá para ver meu trabalho clicando no meu perfil acho eu. Comecei em dezembro na verdade, mas antes disso eu já era ilustradora, como tradicional, e bordadeira. Comecei com a minha marca Menina Canceriana faz um tempo, deste de 2016, e nunca fui focada nela, até pq, precisava trabalhar e ganhar dinheiro. Vamos dizer que o Menina Canceriana era um complemento de renda. Trabalhava num lugar que a princípio amava mas depois só me fez aumentar consideravelmente meus cabelos brancos. Então ano passado fiz intercâmbio para a Irlanda, bem fodida de dinheiro, não levando todo o dinheiro que deveria levar, mas sobrevivi. No meio dessa viagem, um amigo me falou sobre o iPad e procreate, fiquei doida e no meio da minha eurotrip decidi que iria levar este aparelho. No intercâmbio da Irlanda você pode trabalhar e com certeza se não fosse pelos euros que recebi eu não teria condição de viajar o bando de pais que viajei. Para conseguir comprar o iPad minha economia ficou mais agressiva, a ponto de comer pão e queijo de almoço pq era mais barato no mercado (obrigada mercado barato da Europa). Enfim, comprei o tal do aparelho, convenci o meu irmão a comprar a caneta e no avião para voltar comecei a treinar no procreate e o plano era o seguinte: treinar todo dia até chegar no momento de aplicar commissioes e trabalhar confortavelmente nisso. Nesse plano também incluía entrar em feiras, me jogar em tudo quanto é lugar, tentar aplicar aqui no Reddit pq me falaram que era fácil, conseguir dinheiro de gringo pq ganhar em euro é bom demais. Até que enfim BOOM pandemia. No começo até tinha gente que ainda pedia encomendas. Afinal, o troço iria durar dois meses né? Todo mundo tava com seu emprego. Mas aí foi chegando junho.... julho...estamos em outubro praticamente. Um mar de gente sem emprego, e melhor, sendo micro empreendedor que nem eu. E isso não é bom, basicamente pq se você tá vendendo doces para conseguir alguma alimentação a última coisa que você precisa é de um quadro bonito na sua parede. Muita gente me pediu orçamento para fazer ilustra para camisa por exemplo. Mas uma ilustra de camisa é 350 no mínimo e se vc tem 2k para investir numa loja pequena de estamparia você não vai querer pagar uma grande parte nisso para um ilustrador, correto? Eu peguei todas as dicas de como e onde vender. Já tentei aplicar aqui, no tumblr, no insta (que está fodendo a gente aliás), nos grupos de face... já fiz coisa muito popular, coisa que não é. Já tentei Tiktok. E nada. Aí vem a crise: parte eu sei que é por causa do governo que não tem uma política pública econômica que ajude a população de forma que a galera tenha emprego, logo as pessoas não terão dinheiro e convenhamos que artista está lá embaixo da pirâmide. Outra parte é a incerteza se eu to fazendo algo realmente bom a ponto das pessoas quererem encomendar comigo, mesmo treinando todo dia e gente com menos tempo que eu que tem mais encomendas, impossível a não comparação. Ou se é a época astrológica difícil para todos. Por fim, eu não aguento mais trabalhar com a incerteza de encomendas, com os cliente me ignorando quando passo orçamento, com o “PELA MOR DE DEUS COMPRE COMIGO” que tenho que me sujeitar todo dia. E foda é que nem amigos me apoiam direito, um até pediu orçamento mas fez como qualquer cliente é sumiu sem falar um obrigada e a outra tava precisando de artista, eu lembrei a ela que eu sou uma, e ela me ignorou. Queria algo fixo para não me estressar mais com isso e o nível de desesperança é tão grande que pensei me me candidatar para ser vendedora de roupa aqui onde moro. Pq já tenho uma idade que não rola mais viver das migalhas que vivo.
(Post sem conselho pq duvido de vdd que haja um que vai dar certo, até pq eu tento fazer tudo que me falam e nada da muito certo. Adorei este grupo é espero que numa próxima eu dê boas notícias)
submitted by bebedisco to desabafos [link] [comments]


2020.09.26 01:53 altovaliriano Descriptografando a Carta Rosa

Texto original: https://cantuse.wordpress.com/2014/09/30/the-pink-lette
Autor: Cantuse
Partes traduzidas: 1) A Estrada Para Vila Acidentada, 2) Uma Aliança de Gigantes e Reis, 3) Despindo o Homem Encapuzado, 4) Confronto nas Criptas, 5) Tendências Suicidas
---------------------------------------------------
OBS: Esta é a última parte que traduziremos por agora.
---------------------------------------------------

O MANIFESTO : VOLUME II, CAPÍTULO VII

Não há como negar que resolver o mistério da Carta Rosa é uma imbróglio complicado. Já existem dezenas de teorias.
Resolver esse mistério tem sido um dos grandes objetivos do Manifesto desde o início, e acho que fiz um bom trabalho de construção progressiva até este ponto.
NOTA: O ideal era que você tivesse lido todos os ensaios até este ponto, mas se você insiste em ler assim, eu sugiro que pelo menos você leia Confronto nas Criptas e Tendências Suicidas primeiro.
Vamos direto ao assunto. Neste ensaio, estou apresentando os seguintes argumentos.
À luz das muitas teorias anteriores estabelecidas aqui no Manifesto, podemos desenvolver um entendimento muito convincente da chamada Carta Rosa e do que ela realmente diz.
[...]

A CARTA ROSA

Esta seção é apenas uma recapitulação da carta, seu texto e as várias outras características que possui.
Coloco esta seção aqui como uma referência fácil durante a leitura deste ensaio.

O texto

Seu falso rei está morto, bastardo. Ele e toda sua tropa foram esmagados em sete dias de batalha. Estou com a espada mágica dele. Conte isso para a puta vermelha.
Os amigos de seu falso rei estão mortos. Suas cabeças estão sobre as muralhas de Winterfell. Venha vê-las, bastardo. Seu falso rei morreu, e o mesmo acontecerá com você. Você disse ao mundo que queimou o Rei-para-lá-da-Muralha. Em vez disso, você o enviou para Winterfell, para roubar minha noiva.
Terei minha noiva de volta. Se quer Mance Rayder de volta, venha buscá-lo. Eu o tenho em uma jaula, para que todo o Norte possa ver, a prova de suas mentiras. A jaula é fria, mas fiz um manto quente para ele, com as peles das seis putas que o seguiram até Winterfell.
Quero minha noiva de volta. Quero a rainha do falso rei. Quero a filha deles e a bruxa vermelha. Quero sua princesa selvagem. Quero seu pequeno príncipe, o bebê selvagem. Quero meu Fedor. Mande-os para mim, bastardo, e não incomodarei você e seus corvos negros. Fique com eles, e eu arrancarei seu coração bastardo e o comerei.
Estava assinado:
Ramsay Bolton
Legítimo Senhor de Winterfel
(ADWD, Jon XIII)

A descrição da carta

Bastardo, era a única palavra escrita do lado de fora do pergaminho. Nada de Lorde Snow ou Jon Snow ou Senhor Comandante. Simplesmente Bastardo. E a carta estava selada com um pelote duro de cera rosa.
Estava certo em vir imediatamente – Jon falou. Está certo em ter medo.
(ADWD, Jon XIII)

DIFICILMENTE O BASTARDO

Acho que já fiz um argumento convincente de que Mance Rayder está disfarçado de Ramsay Bolton (veja o Confronto nas Criptas).
Mas tenho certeza de que os leitores apreciariam pelo menos uma rápida avaliação das muitas outras razões pelas quais não acredito que a carta possa ser de Ramsay.
Especificamente, esta seção está identificando maneiras pelas quais a carta é incoerente com o que sabemos sobre Ramsay. Não acredito que nada disso por si só desqualifique Ramsay como autor, mas coletivamente elas geram grandes dúvidas.
Se minuciosas listas de evidências o aborrecem, pule para a próxima seção.

Falta o botão

Todas as cartas anteriores de Ramsay foram seladas com "botões" bem formados de cera:
Empurrou o pergaminho, como se não pudesse esperar para se ver livre dele. Estava firmemente enrolado e selado com um botão de cera dura rosa.
(ADWD, A noiva rebelde)
Clydas estendeu o pergaminho adiante. Estava firmemente enrolado e selado, com um botão de cera rosa dura.
(ADWD, Jon VI)
A Carta Rosa é lacrada com "pelote duro de cera rosa", uma discrepância notável.

Cabeças na Muralha

Enfiar cabeças em lanças parece um tanto incoerente com o estilo pessoal de Ramsay e com os maneirismos de Bolton observados a esse respeito: esfolar ou enforcar.

Sem pele ou sangue

Um dos artifícios mais conhecidos de Ramsay é o envio de mensagens escritas com sangue e com pedaços de pele anexados.
Não há menção de sangue usado como tinta, nem está implícito, como ocorre em outras cartas que parecem ser dele. Definitivamente, não há menção a um pedaço de pele, o que é estranho, considerando que Ramsay afirma ter Mance Rayder e todas as seis esposas de lança ... certamente uma delas poderia fornecer um pouco de pele.

Como Ramsay saberia?

Por que Ramsay pede Theon a Jon ?
Se Theon foi entregue a Stannis, e Stannis tinha toda a intenção de matá-lo, por que Ramsay acreditaria que Theon está agora com Jon?
Nem mesmo Mance Rayder saberia disso.
Além disso, “Arya” foi entregue a Stannis também, via Mors Papa-Corvos.
Por que ele acreditaria que Arya está com Jon?
Se todo a hoste de Stannis foi realmente destruída, você deve se perguntar onde Ramsay ficou sabendo destes detalhes, principalmente com relação a Theon.
É uma suposição sensata pensar que Stannis pode enviar "Arya" de volta a Castelo Negro (na verdade, foi o que Stannis faz), mas mesmo uma formação primária em inteligência [militar] torna óbvio que Theon seria de grande valor estratégico em uma batalha contra Winterfell, mas em nenhum outro lugar.
Uma pessoa pode então arguir que isso só pode significar que o corpo de Theon não foi descoberto entre os mortos. No entanto, dadas as condições meteorológicas, essa provavelmente é uma tarefa impossível de realizar. Portanto, Ramsay não teria nenhuma base e nenhuma confiança para pensar que Jon tinha Theon em absoluto.

ENDEREÇADO À MULHER VERMELHA

No início deste ensaio, declarei que a Carta Rosa se destinava especialmente a Melisandre. Preciso lhes dar as evidências. Tanto aquelas dedutivas (ou razoáveis), quanto aquelas que estão implícitas ou que foram estabelecidas daquele jeito inteligente e sutil que Martin faz com frequência.

Missão de Mance

Como já estabeleci no Manifesto, a missão de Mance baseava-se em saber onde seria o casamento de Arya.
Assim, quando Jon recebeu seu convite de casamento, Mance deveria partir para Vila Acidentada.
Jon acidentalmente recebeu o convite enquanto estava no pátio de treinamento, lutando com Mance disfarçado de Camisa de Chocalho. Assim, Mance foi capaz de simplesmente ouvir o local. Mas não podemos presumir que Mance e Melisandre apostaram tudo em terem a sorte de ouvir qual seria o local.
Uma dedução simples conclui que Mance era capaz e estava determinado a ler as cartas no quarto de Jon até que surgisse a localização.
NOTA: Se esta explicação parece insuficiente, eu apresento o argumento por completo em um ensaio anterior A estrada para Vila Acidentada.
Isso também significa que o convite não era realmente para Jon, mas sim para Melisandre e Mance, como um 'gatilho' para o início de sua missão. Novamente, eu explico a base para essas conclusões no ensaio mencionado acima.
Isso estabelece o precedente de que as mensagens enviadas para Castelo Negro podem, de fato, ter a intenção de se comunicar secretamente com Melisandre.

Ratos Cinzentos

Aqui há um exemplo de Martin possivelmente invocando um dispositivo que é sua marca registrada: enterrar recursos de enredo relevantes para uma história em outra, geralmente via metáforas ou alegorias inteligentes.
Três citações devem ser suficientes para você entender (em negrito, para dar ênfase nas partes principais):
Três deles entraram juntos pela porta do senhor, atrás do palanque; um alto, um gordo e um muito jovem, mas, em suas túnicas e correntes, eram três ervilhas cinza de uma vagem negra.
(ADWD, O Príncipe de Winterfell)
:::
Se eu fosse rainha, a primeira coisa que faria seria matar todos esses ratos cinzentos. Eles correm por todos os lados, vivendo dos restos de seus senhores, tagarelando uns com os outros, sussurrando no ouvido de seus mestres. Mas quem são os mestres e quem são os servos, realmente? Todo grande senhor tem seu meistre, todo senhor menor deseja ter um. Se você não tem um meistre, dizem que você é de pouca importância. Esses ratos cinzentos leem e escrevem nossas cartas, principalmente para aqueles senhores que não conseguem ler eles mesmos, e quem diz com certeza que eles não estão torcendo as palavras para seus próprios fins? Que bem eles fazem, eu lhe pergunto.
(ADWD, O Príncipe de Winterfell)
:::
Lorde Snow. – A voz era de Melisandre.
A surpresa o fez afastar-se dela.
Senhora Melisandre. – Deu um passo para trás. – Confundi você com outra pessoa.À noite, todas as vestes são cinza. E subitamente a dela era vermelha.
(ADWD, Jon VI)
A noção de que todos os mantos são cinza parece equivocada: Melisandre equivale a um meistre .
O que é verdade em muitos sentidos: ela é definitivamente uma conselheira de Stannis e 'sussurra' em seu ouvido. E talvez o mais notável seja o fato de que muitos questionam quem realmente está no comando: Stannis ou sua mulher vermelha?
Quando você vê esses paralelos, a alusão a ela usar vestes cinzas tem uma conexão forte e interessante com o conceito de cartas em que alguém está 'torcendo as palavras'.
Afinal, eu dei argumentos convincentes de que o convite de casamento de Jon era para Mance e Melisandre e foi enviado por Mors Papa-Corvos. Alguém contestaria a noção muito razoável de que outras cartas seriam igualmente confidenciais?
Outra coisa engraçada sobre essa ideia é que Melisandre literalmente distorce as palavras para seus próprios propósitos:
O som ecoou estranhamente pelos cantos do quarto e se torceu como um verme dentro dos ouvidos deles. O selvagem ouviu uma palavra, o corvo, outra. Nenhuma delas era palavra que saíra dos lábios dela.
(ADWD, Melisandre)

Uma bela truta gorda

Há um outro elemento temático que sugere que as cartas podem possuir conteúdos secretos, uma característica interessante atribuída a duas cartas diferentes em As crônicas de gelo e fogo.
A primeira carta é a de Walder Frey, enviada a Tywin após o Casamento Vermelho:
O pai estendeu um rolo de pergaminho para ele. Alguém o alisara, mas ainda tentava se enrolar. “A Roslin pegou uma bela truta gorda”, dizia a mensagem. “Os irmãos ofereceram-lhe um par de pele de lobo como presente de casamento.” Tyrion virou o pergaminho para inspecionar o selo quebrado. A cera era cinza-prateada, e impressas nela encontravam-se as torres gêmeas da Casa Frey.
O Senhor da Travessia imagina que está sendo poético? Ou será que isso pretende nos confundir? – Tyrion fungou. – A truta deve ser Edmure Tully, as peles…
(ASOS, Tyrion V)
A segunda é a carta ostensiva que Stannis escreveu a Jon Snow enquanto estava em Bosque Profundo. Não vou citar a carta (é um texto imenso), apenas um elemento da descrição:
No momento em que Jon colocou a carta de lado, o pergaminho se enrolou novamente, como se ansioso para proteger seus segredos. Não estava seguro sobre como se sentia a respeito do que acabara de ler.
(ADWD, Jon VII)
O que estou tentando apontar aqui é que a primeira mensagem de Walder Frey definitivamente tinha uma mensagem inteligentemente escondida. E por alguma razão, Martin decidiu mostrar que a carta 'queria' enrolar-se novamente.
A segunda mensagem também quer enrolar-se e, se você a ler com atenção, há um grande número de coisas que são totalmente incorretas ou atípicas em relação a Stannis nela. Cavaleiros homens de ferro? Execução por enforcamento?
Já tomei a liberdade de esquadrinhar tortuosamente os livros e não consigo encontrar de pronto outros exemplos em que as cartas foram personificadas dessa maneira.
Junto com os pontos anteriores, este não reforçaria a ideia de que Melisandre (e Mance por um tempo) está recebendo mensagens camufladas enquanto está em Castelo Negro?

Carta de Lysa

Outra indicação de que tais 'cartas codificadas' não são incomuns é que uma das primeiras cartas que vimos nos livros era uma: a que Catelyn recebe de Lysa.
Seus olhos moveram-se sobre as palavras. A princípio pareceu não encontrar nenhum sentido. Mas depois se recordou.
Lysa não deixou nada ao acaso. Quando éramos meninas, tínhamos uma língua privada.
(AGOT, Catelyn II)
* * \*
Deve ser apontado que isso também faz sentido de uma perspectiva puramente lógica. Como já argui veementemente que Stannis, Mance e Melisandre conspiraram juntos, faria sentido que todas as partes precisassem ser capazes de se comunicar de uma forma que protegesse a referida conspiração.
Nesse ponto, tal tipo de carta constitui a opção mais adequada, como mostram as cartas de Walder Frey e Lysa Tully.
Esse tipo de proteção de carta – enterrar uma mensagem secreta em outra mensagem, de modo que não possa ser detectada – é conhecido como esteganografia.
A Dança dos Dragões faz de tudo para educar os leitores de que nem sempre se pode confiar nos meistres com segredos: ouvimos isso de Wyman Manderly e Barbrey Dustin. No entanto, se um rei ou outro oficial escrever suas cartas com mensagens secretas esteganográficas, os verdadeiros detalhes serão ocultados até mesmo dos meistres. Na verdade, foi exatamente isso que observamos na carta de Walder Frey a Tywin Lannister.
Meu objetivo final neste ensaio é convencê-lo de que a Carta Rosa é uma mensagem esteganográfica de Mance Rayder para Melisandre. A forma como foi escrita esconde seus segredos de qualquer meistre (ou Jon Snow) que tente interpretá-la.
A principal desvantagem de tentar decifrar qualquer mensagem esteganográfica é esta:
Por que eles não encontraram nada? Talvez eles não tenham procurado o suficiente. Mas há um dilema aqui, o dilema que capacita a esteganografia. Você nunca sabe se há uma mensagem oculta. Você pode pesquisar e pesquisar, e quando não encontrar nada, você pode apenas concluir “talvez eu não procurei com atenção”, mas talvez não haja nada para encontrar.
ESTRANHOS HORIZONTES, ESTEGANOGRAFIA: COMO ENVIAR UMA MENSAGEM SECRETA
Isso significa que a única maneira real de provar a você que Mance escreveu a Carta Rosa é se eu conseguir encontrar uma tradução irresistivelmente convincente de qualquer conteúdo secreto que ela possa ter.
E mesmo assim você pode argumentar que não é verdade. Embora eu espere que você não diga isso quando terminar este ensaio.

Querida Melisandre

Além de todos os pontos acima, Melisandre consegue tornar tudo ainda mais explícito. Antes da chegada da Carta Rosa, Melisandre diz:
Todas as suas perguntas serão respondidas. Olhe para os céus, Lorde Snow. E, quandotiver suas respostas, envie para mim. O inverno está quase sobre nós. Sou sua única esperança.
(ADWD, Jon XIII)
Isso parece enfaticamente dizer a Jon que ela quer vê-lo depois que a carta chegar.
Observe como ela está lá quando Jon decide ler a carta em voz alta no Salão dos Escudos. Eu sei que isso parece um detalhe trivial, mas considere que ela não apareceu antes do início da reunião e que ela desapareceu quase imediatamente após Jon terminar.
Isso está relacionado à principal preocupação que a vemos expressar em sua conversa com Jon antes da chegada da carta: abandonar a caminhada para resgatar os que estavam em Durolar.
Mas por que?
Este é um ponto que revelarei mais tarde no Manifesto. Por enquanto, deve bastar saber que Melisandre queria ver ou ouvir o conteúdo dessa carta.

VERNÁCULO SELVAGEM

Nas próximas duas seções, demonstrarei por que a Carta Rosa foi escrita por Mance. Esta primeira seção consiste em detalhes o que vemos no texto, a linguagem usada e assim por diante.
Em particular, existem frases que são bastante específicas para Mance (ou que excluem Ramsay), e também detalhes que são específicos para a conspiração Mance-Melisandre.
Se minuciosas listas de evidências o aborrecem, pule para a próxima seção.

“Falso Rei”

Esta frase é especificamente o que Melisandre usa para se referir a Mance Rayder, ela o chama de falso rei duas vezes. Quase não aparece em nenhum outro lugar em A Dança dos Dragões , a exceção sendo uma instância onde Wyman Manderly declara Stannis um falso rei.

“Corvos Negros”

Os selvagens são as únicas pessoas que usam os termos corvo ou corvo negro em um sentido depreciativo.
A única exceção a isso é Jon Snow (o que é interessante), quando ele está tentando convencer o povo livre.

“Princesa Selvagem” e “Pequeno Príncipe”

O termo princesa selvagem abunda na Muralha, uma invenção dos irmãos negros que então se espalhou entre os homens da rainha.
O pequeno príncipe foi especificamente apresentado na Muralha, primeiro por Melisandre e depois por Goiva:
Melisandre tocou o rubi em seu pescoço. – Goiva está amamentando o filho de Dalla, além do seu próprio. Parece cruel separar nosso pequeno príncipe de seu irmão de leite, senhor.
(ADWD, Jon I)
Faça o mesmo, senhor. – Goiva não parecia ter nenhuma pressa em subir na carroça. – Faça o mesmo pelo outro. Encontre uma ama de leite para ele, como disse que faria. Prometeu-me isso. O menino... o menino de Dalla... o principezinho, quero dizer... encontre uma boa mulher pra ele, pra que ele cresça grande e forte.
(ADWD, Jon II)
Embora uma pessoa possa pensar que Melisandre está sugerindo de maneira sutil que sabe sobre a troca do bebê, isso não fica claro. O trecho sobre Goiva certamente deixa isso explícito.
O verdadeiro ponto aqui é que a terminologia aqui só foi vista antes na Muralha. Além disso, uma vez que nem Val nem o filho de Mance são verdadeiramente da realeza, não faz muito sentido que Mance ou qualquer uma das esposas de lança digam que são, mesmo que sob tortura.

Para que todo o Norte possa ver

O autor afirma que tem Mance Rayder em uma jaula para que todo o Norte possa ver.
Mance disse algo muito semelhante a Jon anteriormente:
Ele queimou o homem que tinha que queimar, para todo mundo ver. Fazemos o que temos que fazer, Snow. Até mesmo reis.
(ADWD, Jon VI)

INCLINAÇÃO PARA A SAGACIDADE

Além dos vários atributos já citados que favorecem Mance como autor, há um que se sobressai a todos:

Disfarçado de Camisa de Chocalho

Observe:
Vou patrulhar para você, bastardo – Camisa de Chocalho declarou. – Darei conselhos sábios, ou cantarei canções bonitas, o que preferir. Até lutarei por você. Só não me peça para usar esse seu manto.
(ADWD, Jon IV)
É muito difícil negar que esta não seria uma grande alusão ao próprio Mance em quase todos os detalhes. É tão certeiro que estou surpreso de que Melisandre ou Stannis não o tenham repreendido ou o mandado calar a boca.
Stannis queimou o homem errado.
Não. – O selvagem sorriu para ele com a boca cheia de dentes marrons e quebrados. – Ele queimou o homem que tinha que queimar, para todo mundo ver. Fazemos o que temos que fazer, Snow. Até mesmo reis.
(ADWD, Jon VI)
Esta é uma maneira inteligente de sugerir que Stannis queimou o Camisa de Chocalho verdadeiro no lugar de Mance, apenas porque o mundo precisava ver Mance morrer, não porque os crimes de Mance justificassem a execução.
Eu poderia visitar você tão facilmente, meu senhor. Aqueles guardas em sua porta são uma piada de mau gosto. Um homem que escalou a Muralha meia centena de vezes pode subir em uma janela com bastante facilidade. Mas o que de bom viria de sua morte? Os corvos apenas escolheriam alguém pior.
(ADWD, Melisandre)
Como observei em outro ponto do texto, muito provavelmente se esperava que Mance subisse aos aposentos de Jon e lesse suas cartas, se assim fosse necessário para descobrir o local do casamento. Portanto, esta passagem parece ser uma dica engraçada de que ele pode ter estado nos aposentos de Jon, sem nunca tê-lo matado.

Disfarçado de Abel

O apelido de Mance por si só é uma pista inteligente, mas ele dá um passo além em muitos aspectos ao se passar por Abel.
Perto do palanque, Abel arranhava seu alaúde e cantava Belas donzelas do verão. Ele se chama de bardo. Na verdade, é mais um cafetão.
(ADWD, O Príncipe de Winterfell)
Aparentemente, muito pouco se sabe sobre a música. No entanto, um exame cuidadoso de um capítulo em A Tormenta de Espadas revela o primeiro verso da música (pelo menos na minha opinião):
– Vou à Vila Gaivota ver a bela donzela, ei-ou, ei-ou...
Co’a ponta da espada roubarei um beijo dela, ei-ou, ei-ou.
Será o meu amor, descansando sob a tela, ei-ou, ei-ou.
(ASOS, Arya II)
Uma escolha de música inteligente considerando sua inspiração em Bael, o lendário ladrão de filhas que se escondeu nas criptas Stark.
O mesmo poderia ser dito sobre a deturpação de “A Mulher do Dornês” quando ele mudou a letra para ser sobre a “filha de um nortenho”.
Além disso, há ocasiões em que ele toca uma música “triste e suave”, que já demonstrei ser um sinal para as esposas de lança.

UMA TRADUÇÃO LINHA-A-LINHA

Essa é a parte essencial do texto. Vou percorrer toda a Carta Rosa e explicar o que ela realmente diz. Lembre-se de que você deve ter chegado a este ponto no Manifesto tendo lido os textos anteriores, o que significaria que você já assumiu as seguintes premissas (ou pelo menos suspendeu sua descrença sobre elas):
Há apenas uma nova suposição que eu gostaria de fazer, uma bem sensata:
Mance saber esse único detalhe fornece uma pista impressionante para decifrar a Carta Rosa.
Agora vamos lá...

Primeiro parágrafo

Seu falso rei está morto, bastardo.
Isso significa que Stannis fingiu sua morte.
Ele e toda sua tropa foram esmagados em sete dias de batalha.
Isso diz mais ou menos a mesma coisa. Eu acredito que diz ainda mais, mas vou guardar para mais tarde.
Estou com a espada mágica dele.
Como parte da simulação de sua morte, a Luminífera de Stannis será levada para "Ramsay". Isso permite que os Boltons concluam que Stannis está morto, apesar haver uma quantidade limitada de outras evidências sobre isso.
Conte isso para a puta vermelha.
Literalmente, isso está instruindo Jon a contar a Melisandre. É muito interessante que Melisandre tenha implorado a Jon para 'envia-a para mim' depois de ler a carta, e o autor da carta está sugerindo exatamente a mesma coisa.
Coletivamente, o primeiro parágrafo parece um resumo dos principais detalhes: está dizendo que Stannis fingiu sua morte, provavelmente ganhou a batalha, mas que os Boltons estão convencidos da própria vitória. É muita informação de inteligência transmitida em um único parágrafo.
A linha sobre a espada é o que eu acredito ser um sinal a Melisandre para que começasse quaisquer próximos passos que ela tenha em mente (que serão discutidos posteriormente neste Manifesto).

Segundo parágrafo

Os amigos do seu falso rei estão mortos.
Isso significa que os aliados de Stannis também estão fingindo morte. Muito provavelmente, isso significa as tropas daqueles que viajam com Stannis. Por exemplo, Mors Papa-Corvos e seu bando de meninos verdes.
Suas cabeças estão sobre as muralhas de Winterfell.
Usar 'sobre' no sentido de estar perto de algo, isso significa que Mors está nas redondezas de Winterfell.
Venha vê-los, bastardo.
Esta é uma das várias provocações da carta, embora implique que Jon deveria viajar para Winterfell.
Seu falso rei mentiu, e você também. Você disse ao mundo que queimou o Rei-para-lá-da-Muralha.
[na versão brasileira, a frase começa com “Seu falso rei morreu, e o mesmo acontecerá com você”, uma tradução errada do texto original]
Este é o início do anúncio de que Mance Rayder está vivo. A parte em que o autor diz 'Você disse ao mundo' é muito semelhante ao que Mance disse a Jon: “Ele queimou o homem que tinha que queimar, para todo mundo ver. Fazemos o que temos que fazer, Snow. Até mesmo reis.” (ADWD, Jon VI)
Em vez disso, você o enviou para Winterfell, para roubar minha noiva.
Isso informa Jon e Melisandre que Mance terminou em Winterfell. Isso é importante porque, se você se lembra, Mance partiu originalmente para Vila Acidentada. Esta linha, portanto, confirma para onde Mance foi. Também revela que o autor conhecia a missão de Mance.
No todo, o parágrafo parece sugerir que Jon ou alguém precisa se juntar a Mors do lado de fora de Winterfell.
Este parágrafo declara ainda que Jon quebrou seus votos ajudando Stannis e Mance na tentativa de roubar Arya Stark. Isso é interessante porque Jon de fato não queria fazer isso, ele apenas queria resgatar Arya na estrada, presumindo que ela já tivesse escapado. O fato de a carta declarar esses detalhes mostra um esforço calculado para minar a honra e a legitimidade de Jon.

Terceiro parágrafo

Terei minha noiva de volta.
Isso nos diz claramente que “Arya” foi resgatada.
Se quer Mance Rayder de volta, venha buscá-lo. Eu o tenho em uma jaula, para que todo o Norte possa ver, a prova de suas mentiras.
Isso requer uma perspicaz (porém, simples) interpretação da falsa execução do próprio Mance.
Se assumirmos que minha teoria no Confronto nas Criptas está correta, duas observações podem ser feitas:
O acréscimo de ' prova de suas mentiras ' indica que Ramsay não está sob a magia de disfarce e, portanto, caso ele seja encontrado, isso arruinaria o truque.
Tudo isso somado, a implicação da frase dupla:
A jaula é fria, mas fiz um manto quente para ele, com as peles das seis putas que o seguiram até Winterfell.
Esta é uma referência à maneira como Melisandre disse que as seduções [glamors] funcionam: vestindo-se a sombra de outra pessoa como capa. Também parece uma possível alusão a usar a pele de outra pessoa, de acordo com o conto de Bael, o Bardo.
Na íntegra, o terceiro parágrafo parece deixar uma mensagem de que Mance conseguiu se disfarçar de Ramsay, que Ramsay está vivo como um prisioneiro nas criptas e que ninguém parece saber disso. Também pode significar que nenhuma das esposas de lança traiu seu segredo.

Quarto parágrafo

Ao contrário dos parágrafos anteriores, acredito que o quarto parágrafo é direcionado diretamente a Jon Snow. Melisandre pode saber o segredo por trás de seu conteúdo, mas este parágrafo foi elaborado para ter um efeito específico sobre Lorde Snow.
Quero minha noiva de volta. Quero a rainha do falso rei. Quero a filha deles e a bruxa vermelha. Quero sua princesa selvagem. Quero seu pequeno príncipe, o bebê selvagem. Quero meu Fedor.
Essas frases apresentam uma lista de demandas, muitas das quais Jon não tem capacidade de cumprir. Ele não tem permissão para enviar Selyse, Shireen, Melisandre, Val ou o filho de Mance para Winterfell.
Além disso, ele não tem ideia de quem é Fedor.
E independentemente da identidade de Ramsay (o real ou o disfarçado), ambos saberiam que Jon não tem ideia de quem é Fedor.
Esses pedidos colocaram Jon em uma posição tênue. A carta declara abertamente que Jon violou seus juramentos à Patrulha da Noite, participou de uma mentira quando colaborou para resgatar Arya usando Mance, o que também beneficiou a causa de Stannis.
Mande-os para mim, bastardo, e não incomodarei você e seus corvos negros. Fique com eles, e eu arrancarei seu coração bastardo e o comerei.
Esta ameaça sugere fortemente que Jon precisa cooperar ou ele será atacado. Considerando que os Boltons são aliados dos Lannisters, é razoável concluir que os Boltons também usariam a oportunidade para destruir as forças de Stannis em Castelo Negro e fazer muitos reféns.
A carta deixa claro: o envolvimento de Jon com Mance e Stannis resultou em uma ameaça à Muralha, à Patrulha da Noite e à família de Stannis e ao assento de poder.
Jon é então forçado a um dilema:
Em ambos os casos, ele está ferrado e proscrito como um violador de juramentos.
Então, por que Mance enviaria uma linguagem tão provocativa para Jon e Melisandre?
A resposta deriva de vários fatos, alguns dos quais serão discutidos posteriormente no Manifesto. Mas a resposta simples é esta:
O que posso dizer neste momento é que Mance, Melisandre e Stannis sabem que Jon estava disposto a violar seus votos quando era necessário servir à Patrulha da Noite (e por extensão aos sete reinos).
Forçando Jon a se tornar um violador de juramentos, Melisandre e Stannis são capazes de usá-lo de outras maneiras, particularmente de maneiras que não envolvem sua permanência na Patrulha.
Com que propósito Stannis e Melisandre usariam Jon Snow, o violador de juramentos?
Infelizmente para Jon, ele mesmo forneceu a Stannis o motivo para 'roubá-lo' da Patrulha da Noite.
Explicar melhor isso é um dos pontos principais do Volume III do Manifesto.

CONCLUSÕES

A carta como um todo parece ser coerente com as teorias que descrevi até agora, particularmente com o resultado do ‘confronto nas criptas’.
Como discuto nos apêndices, também é coerente com algumas interpretações reveladoras das visões de Melisandre.
Obviamente Melisandre acreditava que a Carta Rosa responderia às perguntas de Jon sobre Stannis, Arya e Mance, e a carta o fez. Ela pensou que isso o obrigaria a confiar nela.
Embora a Carta Rosa tenha respondido suas perguntas, ele ignorou tanto a carta quanto Melisandre quando se recusou a procurá-la e agiu por conta própria. Acredito que isso se deva em grande parte ao fato de ele não perceber que havia segredos no texto; ele entendeu a carta pelo significado literal.
Existem algumas grandes questões que permanecem abertas:
Além disso, parece que Melisandre queria um ou ambos das seguintes coisas:

IMPLICAÇÕES

As perguntas e conclusões que podemos fazer parecem sugerir que chegamos a um beco sem saída. De fato, se continuarmos a tentar entender as coisas pelo ângulo de Mance Rayder, será.
Se dermos um passo para trás e começarmos a investigar algumas das outras pistas, preocupações e mistérios em A Dança dos Dragões, surgem novas ideias que nos levam de volta a Mance e Stannis.
Para aguçar seu apetite, aqui estão as questões importantes, antes de avançarmos para o próximo volume do Manifesto:
Essas e outras perguntas são respondidas no próximo volume do Manifesto, ‘O Reino irá Tremer’.
E, finalmente, para terminar com algum floreio, aqui está uma passagem de A Dança dos Dragões:
O Donzela Tímida movia-se pela neblina como um homem cego tateando seu caminho em um salão desconhecido.
(ADWD, Tyrion V)
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2020.09.22 00:17 maurocaa Não consigo me importar com ninguém

oi, tenho 18 anos. Sempre fui uma pessoa que os outros normalmente gostam de ter por perto, muitas pessoas me chamam pra sair, pra esse tipo de coisa e parecem se importar comigo, no entanto, de uns tempos pra cá o meu número de amigos tem caído, e parece que sempre que eu eu faço uma amizade sólida, o destino prega uma peça em mim e algo da errado, por exemplo, eu tinha um grupo de 3 amigos na faculdade, era demais, as resenhas eram do caralho, os rolês também etc, mas os 3 saíram do curso no final do primeiro semestre, dois mudaram de curso e o outro de estado, enfim, vamos ao problema em si.

Eu comecei a perceber que eu tinha dificuldade de me importar com os outros quando eu tava saindo com uma menina, no primeiro mês foi tudo incrivelmente bem, as nossas saídas eram incríveis, o sexo maravilhoso, as conversas ótimas e tudo mais. No entanto, ela sofre de depressão e ansiedade, toma remédio e tudo, e aconteceu que em um certo dia, ela tava tendo uma crise de ansiedade e eu fiquei em choque, eu não sabia o que fazer. Eu simplesmente travei, não conseguia falar nada, e isso acabou comigo falando coisas do tipo: "você quer que eu faça algo pra você" e etc mas isso parecia não surtir efeito algum.

E a partir desse ponto, as crises começaram a ficar mais e mais frequentes, no entanto, eu no fundo não parecia me importar, mesmo eu querendo ajudar ela, não sei se porque eu não sabia o que eu deveria fazer ou se eu realmente não me importava mesmo, mas a cada crise que ela tinha eu parecia mais e mais não me importar. E eu considerava que eu amava ela, ou pelo menos achava que amava. Eu fazia de tudo para sair com ela, considerando que na época eu não trabalhava, meus pais nunca me deram muito dinheiro e ela morava relativamente longe de mim, mas mesmo assim eu sempre tentei de tudo e dava meu jeito, eu sentia ciúmes e imaginava um bom futuro com ela (mesmo a gente não tendo nada sério).

Resumindo, depois de muitas brigas, idas e vindas, em um dia qualquer quando eu achava que estava tudo bem entre nós, ela me chamou no WhatsApp e começou a falar que eu não me importava com ninguém, que eu não tinha nenhum amigo verdadeiro, que eu era um monstro, que ela fazia de tudo por mim (e realmente, ela sempre me ajudou com as coisas, com meus problemas etc) mas que eu nunca fazia nada por ela e paramos de nos falar de vez.

Depois disso eu comecei a pensar e analisar os meus relacionamentos e comecei a ver o quanto eu cagava pros outros, o quanto eu não conseguia fazer nada perante os problemas das pessoas e como todo mundo sempre me ajudou quando eu tava na merda, e isso tem me deixado muito mal e triste, a ponto de eu ter medo de começar novos relacionamentos seja de amizades ou amorosos por conta disso, porque eu sempre acho que eu vou estragar tudo pelo meu jeito.

Eu realmente quero me importar, quero conseguir ajudar alguém que está triste ou algo assim, da mesma maneira que sempre me ajudaram, mas eu não consigo. Não sinto tristeza pelos outros, ou felicidade também, só consigo pensar em mim. Eu não me considero uma pessoa ruim, mas depois do que ela disse aquelas palavras não saem da minha cabeça, porque eu já fiz ela chorar, ficar triste e outras coisas mas ela sempre esteve ali pra mim, até a gota d'agua acontecer.

E não é a primeira vez que algo assim acontece, parece que sempre que eu tento me relacionar com alguém algo da errado, não sei se isso é tudo uma grande trollagem da vida, mas já teve caso de menina querendo se matar porque tinha ficado comigo, de gente que quase fugiu de casa porque tava saindo comigo, enfim, eu pareço que estrago tudo em que toco.

Mais recentemente, eu comecei a conversar com uma gatinha que eu conheci em uma entrevista de trampo, ela é tão gente boa e parece gostar de falar comigo, mas quando recebemos o resultado da entrevista, na qual eu fui aprovado e ela não, eu só consegui ficar triste pelo fato de que ia ser mais difícil de ter um contato diário com ela, e não pelo fato de que ela precisava muito do emprego, talvez mais do que eu. E agora eu fico com tanto medo de conversar com ela e estragar tudo pelo fato de que eu sei lá, sou eu. Tanto que fiquei uns 5 meses sem falar com ela, e mesmo assim quando eu postei uma foto ela foi lá, comentou e desde então vem puxando assunto comigo direto, e eu me sinto mal porque eu não consigo e nem tenho vontade de iniciar uma conversa com ela, e sinto que isso no fundo vai acabar desgastando a nossa relação, assim como aconteceu com todas as outras pessoas. E olha que essa eu também imagino um futuro, tenho ciúmes e tal, mas eu não consigo fazer nada.

Enfim, esse foi meu desabafo, não se se isso tem haver com alguma insegurança minha (tenho inúmeras, principalmente relacionadas a minha altura e pelo fato de que eu acho que vou ser trocado por alguém mais alto do que eu a qualquer momento, tenho 1.68m) e isso fez com que eu construisse essa barreira ou sei lá o que, mas eu só quero ser normal, me importar com os outros, assim como eu era quando criança. Lembro que minha mãe sempre pedia conselhos para mim, e eu sempre conseguia resolver os problemas dela. Hoje em dia quando ela vem com algum problema parece que sempre eu entrego a solução mais genérica possível ou faço alguma graça, tanto que ela sempre fala que quando eu era menor eu era o melhor conselheiro do mundo, e hoje em dia não.

Desculpa o post longo, sei lá, desabafei.
submitted by maurocaa to desabafos [link] [comments]


2020.09.18 10:52 TiaSayu Ajuda para aqueles que tem ansiedade...

Yo mina, Daijobu deska? *ೃ˚
Hoje falarei sobre um tema que me atormenta assim com muitas pessoas diariamente. Espero que esse texto ajude alguém que nessa pandemia, anda sofrendo com o dobro das reações desse distúrbio.
AVISO: Se caso você sofre com este problema e níveis descontrolados POR FAVOR, procure por profissionais para se auto-ajudar. Não tente sobre HIPÓTESE alguma tomar medicamentos por conta própria e nem usar métodos não convencionais. Sempre consulte o seu psiquiatra ou médico sobre suas dúvida, e se cuide da maneira correta.
Bilhetinho: Espero com que este texto seja fonte de muito apoio para aqueles que sofrem disto, um guia para aqueles que querem ajudar alguém que sofre. Espero que, de alguma maneira, posso ter sido útil na vida de alguém e ter alegrado o seu dia ♥
Vamos para o textinho︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶
Bom... Para aqueles que desconhecem a ansiedade é algo comum e todos estão sujeitos a senti-la. No entanto, a ansiedade é uma doença subjacente (Que não se manisfesta claramente) somente quando os sentimentos se tornam excessivos, obsessivos e interferirem na vida cotidiana da pessoa, em resumo: ''A Ansiedade é um termo geral para vários distúrbios que causam nervosismo, medo, apreensão e preocupação exagerada. ''
A ansiedade que estou citando é mais do que o comum do qual estamos habituados. Está além da empolgação de ir se apresentar em uma entrevista de emprego ou comparecer no primeiro encontro; Tal circunstância pode se agravar com traumas ou com problemas persistentes na vida de alguém, e os sintomas são duradouros e limitadores, o que atrapalham a vida desta pessoa.
Os principais sintomas que podem acontecer são:
Para ajudar ou se auto-ajudar, é necessário entender esses pontos e procurar conversar ou se entender. Procurar as fontes e raízes desta ansiedade e tentar muda-las para amenizar os efeitos. E é para isto que existem os profissionais e pessoas que podem te dar esse suporte durante uma crise.︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶ °・❀
Conselhos importantes:;
Para aqueles que querem ajudar alguém que sofre com isto, é necessário entender algumas coisas cruciais... E entender em si o que é a Ansiedade e os seus tipos.
1- A coisa mais importante é se ter PACIÊNCIA.~ A pessoa já está sofrendo com diversos pensamentos a mil por hora, mal conseguindo conter as próprias emoções e atos. Tenha cautela ao se referir e agir, qualquer erro pode dar a entender que a pessoa afetada só está incomodando e atrapalhando a vida dos outros (E vai por mim, isso vai piorar em 1000%)
Tente conversar, ajude-a se acalmar, converter os pensamentos negativos. Incentive fazer algo divertido ou diferente, algo que vá distrai-la e alegra-la. Dê amor, carinho e seja compreensivo. Evite Julgar, apontar erros e defeitos.

2- Seja compreensivo.~ Tenha em mente de que aquela pessoa que sofre de ansiedade, não tem controle sobre os próprios pensamentos e emoções. Evite fazer mistério e joguinhos de adivinhação, assim como botar medo ou pressão. Além de ser algo completamente irritante para qualquer um, para um ansioso ele ficará bem mal e aflito. Ex:;
'' Preciso te contar algo, mas só posso contar amanha'' ou ''Estamos atrasados. Se apresse!''
Faça isso e é uma noite que você rouba desta pessoa. Enquanto a você dorme tranquila, o ansioso fica acordado, pensando em tudo que é possível e o impossível para adivinhar o tema do assunto ou se cobrando por ter feito melhor.Então por favor, não faça estas brincadeiras de mal gosto, prometendo e adiando coisas, isso faz um mal que só o ansioso entende.Entenda que nossa cabeça funciona a mil por hora, diferente das demais pessoas:Ex:;
Pessoa normal: ''Ata certo, tenho que fazer isto e pronto..''
Ansioso: Tá eu tenho que fazer isso... Perai, será que eu desliguei o gás? ESSA NÃO, SE A CASA EXPLODIR VAI SER MINHA CULPA, PESSOAS VÃO MORRER E A CULPA SERÁ MINHA. Mas.... Será que eu tranquei a porta?... E SE ALGUÉM INVADIR MINHA CASA E FAZER TAL COISA.
(Vai por mim, isso não vai acabar tão cedo. Então por favor, tenha consciência)

3- NUNCA, SOBRE HIPÓTESE NENHUMA, JULGUE. EVITE TOTALMENTE DAR TRANCOS: Como dito, a sensação de estar incomodando é constante. Pensamos que a pessoa nos abandonará, ou que estamos fazendo mal a ela ou atrapalhando a vida dela, nos sentimos inferiores e sempre estamos nos menosprezando. Há casos que até mesmo, o ansioso termina um relacionamento bacana apenas por pensar que ele é incapaz, que o seu conjunge não o(a) suporta e nem gosta dele(a).
E realmente, há pessoas que julgam.Falam que somos muito complicados, que estamos fazendo drama ou teatro, nos evitam para não ter alguém ''enchendo o saco'', e que nos afastamos por ser pessoas ''falsas''. Houve até comentários na minha vida, de pessoas aconselharem a opção de término de um namoro, pois deduziam que a menina estava distante, que ela estava traindo e estava sendo seca de proposito.
NÃO! Nos isolamos e nos afastamos por achar exatamente que estamos fazendo algum tipo de male. Jamais julgue ou se deixe elevar por opiniões alheias. Tente conversar e entender, não vá se precipitando. No final, se caso isso tenha força, só sofreremos ainda mais.
4- Ouça mais e seja sincero: Se a pessoa finalmente conseguir desabafar, a escute até o fim. E se ela hesitar por medo ou insegurança, acalme-a e prossiga. Na maioria das vezes, elas só querem ser ouvidas e não receber conselhos (A não ser que ele(a) peça). E o mais importante, não finja falsa sinceridade, não dê essa expectativa falsa, além de ser uma ato bem babaca, isso só mostra que no fim, você não estava preocupado e nem interessado em ajudar de fato, que só fez por mera educação.
5- Convide-o(a) para dar uma volta: Se possível no momento, convide-o para uma volta. Caso a pessoa aceite, converse e tente distrai-la e acalma-la, fazer atividades talvez, fazer alguma coisa bacana. Gastar a energia em uma caminhada ajuda bastante (Bom, pelo o menos para mim ajuda)
6- NUNCA, JAMAIS OFEREÇA BEBIDAS ALCOÓLICAS: É serio, em crises a pessoa pode associar a bebida como um escape. AI meu filho, ficará difícil faze-la abandonar.
7- E por ultimo. Não diminua isto: Ansiedade é algo que precisa de atenção, assim como a depressão. É algo que afeta a vida de alguém de forma profunda, sendo motivo de vários suicídios e problemas graves nas famílias. Não a trate como algo banal e sem importância, é algo que precisa de atenção e empatia.
︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶ °・❀
Conselhos para aqueles que Tem a ansiedade e querem uma mãozinha para amenizar os efeitos ♥
1- Pratique alguma atividade física.Dança, artes marciais, ginastica... Qualquer coisa! Isso, além de dar uma animada e fazer bem para a saúde, ajuda a distrair a mente e ''descontar o estresse''. É um ótimo incentivo.
2- Meditação: Se é algo que me ajudou muito nas minhas crises, é a meditação. Ouvir uma musica calma, controlar a respiração, fechar os olhos e relaxar o corpo. É uma boa pedida e AJUDA muito numa crise.
3- Ouvir musicas favoritas: Como uma ansioso precisa descontar sua energia, desconte dançando ou curtindo uma musica de preferência. Isso ajuda e MUITO, nem que seja necessário repetir a musica diversas vezes ou cantar junto.
4- Mantenha uma alimentação top: Sim, até a comida influência. Evite comidas muito gordurosas em certos horários do dia. Os hormônios podem ser nossos inimigos após alimentação.
5- Desconte em seus Hobbies ou descubra novos Hobbies: Nada melhor do que fazer o que a gente gosta, nestes momentos o Faça! Isso pode ajudar durante uma crise e vai distrair sua mente para focar neste Hobby.
6- Pense ao contrario de tudo!: Se realmente está difícil de suportar a crise e nada está ajudando, Alimente boas sensações. De todos os pensamentos negativos converta para os bons. Ex:;
"'Droga eu teria conseguido se eu tivesse feito tal coisa... Não, eu dei o meu melhor e sei que estão orgulhosos de mim. Vou me esforçar mais para que na próxima eu não comenta o mesmo erro. ''
''Ain... Ela falou tão mal de mim... Por que? O que eu fiz?... Não! Há pessoas que me ama do jeitinho que eu sou, e se essas pessoas que são importantes para mim me amam pelo o que eu sou e amam minha aparência, então eu acredito nelas e que se dane o resto!.
Isso é psicológico, não e deixe levar pelos os próprios julgamentos e não se castigue! ♥
7- Procure se amar e se auto entender, reconheça que todos podem errar, e que errar não é algo ruim. Aprender com os erros é melhor do que aprender com os acertos. Se caso você errar com alguma coisa, não se abale! Se valorize e reconheça que você é incrível e que há pessoas que adoram o eu jeitinho.︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶︶ °・❀

Minha experiencia: Sofro de ansiedade, fruto por parte da minha mãe e traumas vindo da época do fundamental/colegial. Meus dias são difíceis e parecem somente piorar. Minha crises são graves e preciso de ajuda na maioria das vezes, tomo medicamentos para ajudar nos sintomas que, muitas vezes, funciona. O sentimento de angustia é algo que realmente machuca, algo que não me dá paz e me faz ter pânico quase por três dias inteiros.
Quando meu namorado está comigo, me ajudando e me dando suporte e amor é algo muito bom. Me sinto muito bem e sinto que melhoro e evoluo demais a cada crise, é importante entender a existência dessas pessoas na nossa vida e de como isso ajuda a evoluir nosso ser. Já fui muito julgada, abandonada, criticada e realmente, são coisas que apenas pioram minha vida. Mas sigo lutando e espero ajudar outras pessoas como eu o aquelas que tem a boa intenção de ajudar estas pessoas.
Enfim, espero que tenham gostado e ter realmente ajudado alguém ♥
submitted by TiaSayu to desabafos [link] [comments]


2020.09.17 05:00 phelipepombo depressão realidade

MANO NINGUEM DA BOLA PRA DEPRESSÃO PORQUE primeiro não to falando bobagens caso vcs queiram me chingar minha mãe e psicóloga e etc 1-jovens de 13 a 17 anos começaram a usar a depressão como forma de chamar atenção dizer que ta triste para conseguir algo ou fzr a pessoa que ele gosta se preocupar com ele
2 a maioria que fala que tem depressão não e depressão depressão não e ficar triste uma semana e na verdade ficar triste com tipo a menina não me quis to triste depressão não não e depressão isso a minha mãe brigou to com depressão parece bobagem mas e assim hj em dia so 7.8% que falam que tem realmente tem as pessoas que precisão de verdade vão ao pscologo e etc depressão não e se cortar chorar e usar drogas depressão e algo muito difícil de se entender você não fica triste o dia todo ninguem fica e inpossivel ficar voce não vai chorar e etc e desânimo e falta de fome e ficar trancado no quarto não querer sair de casa irritar facilmente as vezes tipo angustia muita angustia tédio sentir que algo ruim vai acontecer e etc muitos que vao ler nao vão ter isso sei que muitos mas nao todos usam a imagem da depressão meio que para se vitimizar mas se você for porfavor pare tem pessoas que precisam que estão com transtornos psicológicos que precisam de ajuda de verdade e ninguem da bola por causa de pessoas que usam a imagem de algo serio para se vitimizar
3 você nao pode se alto falar que tem depressão e achar que isso e legal não e para qm não tem não e mesmo sei que as vezes somos adolecentes e etc queremos meio que chamar atenção mas chame de forma saudavel não usando algo serio assim
outro se você tem depressão de verdade procure um profissional mude sua rotina tente se animar coloque uma musica alegre se divirta se você perdeu alguem como eu uma dica ela ta bem ela não quer te ver mal um dia vocês vão se encontrar no céu se vc n e cristão e etc não sei como falar mas ela esta bem uma banda que recomendo para se animar e super combo tem umas musicas legais la tudo isso vai passar
submitted by phelipepombo to desabafos [link] [comments]


2020.09.14 06:09 _JoTamSoAreS Homens, parem com a pornografia. Se não for pelo ideológico, que seja pelo psicológico.

Estou escrevendo esse relatinho (ou seria um relatão?) sobre como o vício em pornografia que tive atrapalha meu desempenho sexual até hoje. Se eu pudesse, proibia essa merda. Ninguém merece não conseguir transar por culpa de xvideos.
Obs: caso esteja de saco cheio do textão ou não queria saber dele, vá direto para a conclusão no antepenúltimo parágrafo.

Eu (homem hétero) assisti pornô por um bom tempo da minha vida (arredondemos de desde dos 12/13 até os 17/18) de forma bem intensa e sempre acompanhado de masturbação.
Quando mais novo, lá pelos 12/14 anos eu era um taradinho, ficava com ereção por qualquer coisa, desde ver alguém com pouca roupa na novela até abraçar as amigas na escola. Mas a partir dos 15/16 anos toda essa ereção e energia em mim foi sumindo, eu praticamente não ficava mais de pau duro sem ser com um pornozão na minha frente.
Ainda virgem, com 16 anos, comecei a ficar com uma menina e ela nunca conseguiu me deixar de pau duro... Já aconteceu de termos entrado em banheiro de festa pra se pegar, aconteceu de também termos entrado em quarto sozinho pra se pegar e nada. Eu comecei a ficar preocupado: um, por eu querer perder logo a virgindade e estar perdendo chances; dois, por ter ido de 80 a 8 em termos de excitação. Conclusão, paramos de ficar e continuei virgem. Comecei a ficar inseguro em relação a minha capacidade ou não de ter ereção na vida real (fora do pornô).
Na viagem de formatura da escola ocorreu de eu conseguir ir para o quarto com uma menina, tentamos transar mas eu não consegui... coloquei culpa no álcool (realmente eu estava bêbado, mas no fundo eu sabia que mesmo sóbrio a história seria a mesma).
Aos 17 aconteceu de eu conseguir perder a virgindade com uma menina que conseguiu me deixar duro e etc. Mas mesmo assim, essa falta de ereção natural foi me preocupando e virando insegurança - lembrando que eu seguia assistindo e me masturbando com o pornô, com ele eu conseguia alcançar a ereção máxima (o que mostrava que não era um problema fisiológico, era psicológico). Sempre nas festinhas da época de escola quando eu ia beijar alguma menina eu me sentia envergonhado e frouxo (desculpem-me se estou sendo machista ou qualquer outra coisa, mas eu me sentia assim por não conseguir mostrar que eu estava gostando, simbolicamente representado pela ereção. Eu me sentia um morto um saco vazio, uma coisa passiva) de não ficar duro durante a pegação, pior era quando elas tentavam colocar a mão lá e nada encontravam... Enquanto isso, eu via meus amigos levando gente para o banheiro para usar o que deles funcionava.
Terminando a escola e indo para o cursinho, eu tinha transado apenas com duas pessoas, mas já tinha perdido e viria a perder mais algumas chances. Contando agora de cabeça, eu consegui perder a chance de ter transado com 4 meninas até agora em toda minha vida por conta de eu não ter conseguido ficar duro. Isso me dá insegurança e eu tenho certeza que foi por conta do pornô, porque enquanto isso eu seguia ficando durasso assistindo. Aproveitei a época de cursinho para tentar parar mas não consegui totalmente, é um vício.
Nessa época também eu fui atrás de um urologista. Aproveitando a primeira vez passando com um desses médicos (todos que tiverem a oportunidade, vão (não sei se esse é o imperativo de ir, desculpe) pelo menos uma vez) eu comentei sobre esse meu probleminha. O doutor depois de me examinar disse que eu era totalmente saudável e falou para eu tomar cuidado com o psicológico e me deu umas dicas para a hora do 'vamo ver': de não ficar pensando muito na hora etc. Eu não comentei meu vício em pornografia por vergonha.
Entrando esse ano na faculdade a insegurança e o medo de seguir não conseguindo ficar duro quando precisa, me deixou ansioso. Antes, eu dificultava bastante chegar na hora do sexo quando eu ficava com alguém, e fiquei com medo de agora na faculdade seguir broxando e ficar com algum apelido ou ser zoado mesmo. Porém, mesmo com quarentena (estou morando com mais um amigo em um prédio cheio de gente da mesma faculdade) eu consegui transar. No meio daquela carência de confinamento, consegui um contatinho do prédio, ela veio em casa, ficamos e eu broxei outra vez. Eu procuro não desesperar ou desabar quando as coisas dão merda ou sempre dão merda. Procuro manter a calma, mas eu broxei outra vez. Eu fiquei em dúvida se ela iria querer vir outra vez ou se eu falava desse meu 'problema' pra ela (vai que ela ficasse sentida e me ajudasse dando outra chance, ou tendo mais calma comigo na hora), foi o que fiz. Comentei com ela que isso acontecia regularmente e pedi pra ela me ajudar (começo de intimidade/cara de pau). Resumidamente: ela disse que iria me ajudar (uma fofa) e foi de novo em casa e conseguimos (uma preliminar bem feita é tudo) ela me deixou bem duro, já que se fosse a clássica meia bomba não iria dar, ela é muito apertada.
Ao mesmo tempo, eu consegui ir pra cama com outra menina do prédio (sim, a quarentena não tá sendo de cada AP, tá sendo do prédio inteiro junto). Mesmo bêbado ela conseguiu me deixar meia bomba (bem meia) e a penetração rolou (importância da preliminaela não era tão apertada como a anterior). Aconteceu outra vez com essa segunda menina, não sei como ela quis uma segunda vez com um cara praticamente broxa (fica a dica para os amigos com o mesmo problema: compensem em outras coisas).
Toda essa história foi para: o pornô fudeu o jeito que meu corpo interpreta a excitação. Eu consigo ficar excitado, me sinto excitado, mas eu não consigo externar isso como alguém do sexo masculino faz, ficando com ereção. Foram pouquíssimos sexos na minha vida que eu fiz estando com uma ereção forte, assim como aquela que eu ficava na frente do computador. Eu diminui drasticamente a quantidade de pornô na minha vida e está praticamente zero. Masturbação apenas com o pensamento como ajuda. Não se viciem nisso, vocês vão ficar dependente do pornô para ter um prazer de verdade. Nenhum pornô, assistir nenhuma atriz numa tela, gostosa que seja, é melhor do que tocar o corpo de uma mulher, ser tocado por ela e ouvir o prazer que você consegue dar.
Sigo tentando vencer esse problema (que claramente é psicológico) cortar o pornô é um passo e tanto.
Irmãos, tomem cuidado com isso. É algo realmente tóxico e dá sequela.
Fiquem bem.
submitted by _JoTamSoAreS to sexualidade [link] [comments]


2020.09.02 18:25 marvinpls desabafos de um LEIGO e AZARADO com iniciação científica na faculdade (parte 1?)

É textão galera, contarei algumas fofocas da minha área, do meu grupo atual de pesquisa, e da minha tristeza dentro dele. Decidi fazer esse post porque neste exato momento estou numa reunião de entrevista para novos integrantes (online), e comecei a viajar sobre a trajetória que fiz nesses 2 anos e meio de estudo.
Tenho 22 anos, atualmente no 11° período (risos), sou homem (isso será relevante depois), e faço psicologia. Nem tudo foi culpa minha, mas assumo que fiz parte do problema.
Em 2018 eu decidi entrar num grupo de pesquisa.
Era mais ou menos em agosto/ setembro, e decidi encher o saco de uma coordenadora de pesquisa no facebook sobre seu grupo na faculdade. Soube por alunos que havia bolsa, que fazer pesquisa era legal, e que poderia incrementar o currículo no futuro. Eu estava no 5° período se não me engano, e meu maior motivador eram os artigos que andava lendo na época sobre vídeo game e psicologia evolucionista (uma síntese entre psicologia, sociologia e biologia).
Depois de um mês esperando e enchendo saco, consegui uma avaliação.
Era uma avaliação simples, haviam apenas 4 perguntas e eram coisa boba sobre interesse, o que eu já havia produzido antes e yada yada. Achei estranho pois em alguns lugares entrar pra pesquisa era mais complicado, e havia entrevista também. Depois de muito tempo fui entender o porquê.
Eu posso dizer que tudo começou com a escolha do projeto de pesquisa, acho que foi aí que começou a bola de neve de problemas, a turbina em chamas do Donnie Darko, ou o momento em que Evan conheceu a Kayleigh em Efeito Borboleta.
Fui orientado à escolher um projeto de pesquisa que já estava em andamento. Haviam vários temas, desde cirurgia bariátrica, porte de arma de fogo e... vídeo game.
Vou ser bem sincero, acho que essa foi a pior escolha que fiz na vida. Vídeo game? Sério? Não tinha uma escolha mais... sei lá, interessante?
Na verdade era. Ainda acho na verdade. Não vou descreditar a área de pesquisa em vídeo games, não faz o menor sentido. Estou produzindo ainda material, e vejo que virou um assunto 'pop' ano passado com a nova adição do CID-11 de transtorno de vídeo game.
O projeto de pesquisa era testar um aplicativo de celular bastante popular que prometia um "melhoramento cognitivo", que em miúdos era tipo deixar você mais "esperto". O projeto era muito difícil, muito mais difícil que qualquer trabalho naquele grupo.
Mas difícil significa que dá pra fazer ainda, né? Não. Não dependia só de mim. Eu e meu grupo (inicialmente composto por 4 pessoas, eu e mais 3 mulheres) tínhamos que conseguir 60 pessoas que QUISESSEM jogar a porr# de um jogo de celular chato pra cacete, inicialmente durante 2 MESES, e ainda havia aplicação de testes psicométricos no começo e no final do treinamento (que demoravam 1hr e meia pra ser concluído, era exaustivo pra caralho).
O mercado de aplicativos de celular é extenso. Na verdade, existe promessa de vídeo game te deixar mais esperto desde a década de 80, com um jogo da Nintendo. Mas esse se dizia ~cientificamente confiável~, e nosso trabalho era justamente testá-lo.
Era minha primeira experiência com produção de material, e estava super animado, mas não era um trabalho só exaustivo pra pessoa. Eu tinha que achar a pessoa interessada (o que era muito difícil), marcar com ela, separar um dia com folga pra fazer os testes, muitas vezes o teste era dividido em dois, totalizando 2 semanas pra começar o treinamento. Esses testes psicométricos eram importantes para avaliar como a pessoa estava antes do treinamento.
Ela treinava por 2 MESES, dias intercalados (o que dava 1 mes jogando no celular), e tinha de ser 1 hora de jogo, que era MUITO CHATO. Sabe aqueles jogos super simples tipo memória, adivinhar uma sequência de números e tal? Então, eram vários desses. E no final, passava-se os mesmos testes do começo, que poderia demorar 2 semanas também, mas se a pessoa quisesse fazer tudo num dia, poderia.
Óbvio que deu errado. O projeto não era tão impossível de fazer, só éramos as pessoas erradas. Normalmente em projetos trabalhosos como esses, são feitos por laboratórios grandes, com um número de participantes grande também. As pessoas passam por uma triagem melhor também, com tempo de folga, e as vezes até são incentivados de uma forma ou outra... mas o nosso não, eram de amigos ou pessoas da faculdade. Alguns amigos se propuseram de fazer, mas foi enfadonho demais.
Material psicométrico é caro. Alguns nem tanto, mas alguns são bem caro. Procurem aquele teste de Rorschach, só as pranchas são quase 800 reais, visto que são importados. Os que eu usava eram R$150, eram vários cadernos que NÃO PODERIA SER RABISCADO. E rabiscaram. A culpa ficou nas minhas costas, mas felizmente não tive de pagar (eu não sei nem como iria arrumar essa grana, afinal universitário é tudo duro, pelo menos do meu círculo era).
Nesse dia foi engraçado. Estava fazendo com duas mulheres, elas pareciam até contentes com o teste, ficaram brincando sobre as questões e conversando comigo. Achei super legal por parte delas de participar de um negócio tão chato. Fiz todos os procedimentos, ressaltei a importância de não rabiscarem o caderno, e que as respostas eram anotadas numa folha separada.
Elas entenderam. Quando viro a cara pra olhar o celular, tá lá a menina marcando tudo de CANETA no caderno. Tive um treco.
Primeiro que o material era caro em si, e segundo que alguns deles não eram meus, nem da coordenadora, e sim da universidade. Ou seja, o problema era maior, porque eu teria que levar na coordenação, pagar pelo material, etc. Por sorte, a minha coordenadora aliviou pro meu lado, e disse que ela resolveria isso.
Outro caso foi com uma senhora. Todos os dias de treinamento a pessoa tinha que me enviar prints por whatsapp contendo os resultados do treino. Muito, mas muito raro as pessoas enviavam todos os dias necessários, e fazia com que 2 meses virassem 3 de tanto que as pessoas começavam a deixar de fazer, ignorar a gente, fazer menos tempo que deveria, e por aí vai...
Mas com essa senhora foi mais difícil ainda. Ela tinha dificuldade com o aplicativo, e tive de marcar vários dias na faculdade pra ensiná-la a jogar e mexer no app. Confesso que eu mesmo não manjava tanto.
Ela dizia que entendia, sabia como printar, e me enviaria. Ela até foi mais esforçada que as outras pessoas que se prontificaram, só que tinha um outro problema. Quando a pessoa não treinava direito, o app não reconhecia os resultados, e assim não dava as paradas que precisávamos computar.
Ela dizia que jogava por 1hr e não gerava resultado. Eu pedia pra que jogasse mais uns minutinhos pra ver se saía, e não vinha nada rs. Ela se dizia frustrada, tava tomando muito tempo do dia dela, e ela ficava com dor de cabeça.
Fiquei muito triste, mais ainda porque não queria fazer ela se sujeitar à isso, e também porque eu estava perdendo um tempão fazendo as pessoas me cumprirem um favor chatíssimo.
Projeto de pesquisa ruim, e agora sobre os integrantes...
Eram 4 pessoas. Duas meteram o pé 1 mês depois que eu entrei no grupo. Uma delas estava terminando a faculdade, e disse que estava muito ocupada para se envolver com grupo de pesquisa. Até hoje não sei se era verdade, mas tudo bem, cada um sabe onde o calo aperta.
A segunda menina saiu porque havia arrumado um em estágio remunerado. Fico feliz por ela, e ao mesmo tempo com inveja kkk ("inveja branca", como dizia minha mãe) queria muito ter conseguido um também. O problema é que ela era a mentora da parada, e ela tinha muitas fichas importantes sobre o projeto que ela >não deu pra gente quando saiu<. Ela vazou e ficou de mandar algumas paradas importantes, como fichas de pessoas que já haviam feito todo o treinamento. Enrolou por vários meses, e no final não entregou porque não sabia onde estava. Ou seja, parte do progresso havia sido perdido.
Restou eu e uma outra menina que era super interessada e participativa. Ela ainda está no grupo comigo hoje.
Como o texto tá grande pra caralho, vou deixar assim mesmo. Ainda tem bastante coisa pra contar, mas se calhar de uma parte 2, eu escrevo e mando aqui depois. Espero não estar enchendo o saco de vocês com um textão desse, vou repensar se continuo desabafando sobre esse problema kkk.
submitted by marvinpls to desabafos [link] [comments]


2020.08.31 05:18 _powerguido_ Senta que lá vem história

Ficamos juntos por 5 anos. E não foram 5 anos fáceis - minha ex namorada teve problemas que eu não sabia como ajudar. Ela era literalmente stalkeada por um ex colega de classe que simplesmente se apaixonou por ela e passou mais de dois anos perseguindo ela no trabalho, no mestrado, na academia. Chegou a conspirar com colegas da faculdade pra saber onde ela estava, quem eram as pessoas próximas dela. Tentou rapta-la, mais de uma vez. Subornou familiares para ficarem do lado dele. Pra ela, ele era só um cara que não sabia expressar os sentimentos bem. Se ele parou? Não. Mas reduziu a agressividade consideravelmente e hoje em dia se limita à "só" mandar um buquê de rosas no aniversário dela.
O cara já estava tão enraizado na vida dela antes de eu aparecer, que eu simplesmente não consegui convencer nem mesmo a minha ex de que ele era um cara realmente transtornado. O terror que era esse cara na vida dela só serviu pra agravar ainda mais o caso grave de ansiedade que ela tem. Vocês sabem o que é ver uma crise de ansiedade pela primeira vez, sem nem entender o que estava acontecendo? Mas uma crise grave mesmo, de fazer a pessoa chorar por duas horas sem parar, de ficar arranhando o corpo todo com as unhas e viver com hematomas nos membros do corpo por causa disso. E isso começou a ficar constante... uma hora eram uns arranhados no rosto, depois nas pernas. Até o dia em que eu fui ver ela e os dois antebraços estavam quase em carne viva.
E o pior, é que eu quase nem me lembro mais dessa época. Foi muito intenso e me afetou negativamente por muito tempo. Eu conseguia entender que um babaca machista se via no direito de perseguir uma mulher só porque ela não queria namorar com ele - mas meu deus do céu, eu com certeza não conseguia entender como ela mesma não via o quanto ela precisava de uma ajuda profissional por causa da influência negativa desse cara na vida dela (e por vários outros motivos que não valem nem a pena serem citados). Ela me usava como substituto pra tudo que ela não tinha na vida dela - um pai, um irmão, um psicólogo, um amigo. E eu me deixei levar, porque era ingênuo. Porque era meu primeiro namoro. Porque eu achava que eu podia consertar isso. "Depois das primeiras sessões no psicólogo ela vai perceber que esta fazendo bem pra ela", eu dizia pra mim mesmo. Passamos em tantos psicólogos, psiquiatras, gurus. Fizemos academia juntos, eu praticamente morava com ela e não ficava mais com minha família. Eu achava que eu podia dar um jeito na vida daquela menina.
E sinceramente? Eu podia mesmo. Eu não acho que falei alguma coisa errada pra ela em todo o tempo que estávamos juntos. Mas ela nunca me ouvia. E se ela ouvisse, talvez ela tivesse passado por essas situações com mais facilidade, nosso relacionamento teria tomado outros rumos e nós ainda estaríamos juntos. Mas não estamos, e quem está perdendo com isso é ela, porque ela não me superou com certeza. Ela mesma me fala isso.
Eu não acho que eu era um namorado incrível e maravilhoso. Eu nunca tive um carro pra conseguir dar um rolê com ela. Com meu dinheiro mal dava pra gente ir no cinema uma vez por mês. Mas cara, eu me esforçava tanto, tanto mesmo. Lembro que eu um dos dias dos namorados eu quase varei a noite fazendo uma carta à mão de umas 10 páginas, tinha vários desenhos coloridos, poemas apaixonados e promessas de amor. Ela achou ok. Gostou mais do bicho de pelúcia que eu também dei, que custou 10 reais e que claramente não tinha nenhum valor sentimental pra mim. É muito difícil lidar com um cara que persegue sua namorada, mas acho que é mais difícil quando sua própria namorada não dá valor pra como você expressa seu amor por ela.
Mas você leitor deve estar pensando "Mas você disse isso pra ela?" E a resposta é sim. Eu sempre fui sincero com ela, se algo me chateava, eu dizia. Nada do que eu estou escrevendo aqui é algum segredo pra ela. E eu achava que ela ia trabalhar essas informações pra criar um relacionamento mais confortável pra mim e pra ela. Mas ela escolheu ignorar.
Mas o motivo de eu estar escrevendo tudo isso mesmo na verdade é outro. A gente terminou, mas foi razoavelmente tranquilo e decidimos continuar nos falando. Nós dois somos adultos, não é porque discordamos de alguns pontos que precisamos deixar de apreciar a companhia um do outro pra todo o sempre.
E é aqui que sou obrigado a voltar pro começo do nosso namoro. Porque apesar de termos iniciado o namoro cada um com mais de 30 anos, perdemos a virgindade juntos. Crescemos sexualmente juntos. Aprendemos tanto juntos! Eu mais ainda, visto que era meu primeiro namoro. E eu reclamei muito aqui da minha ex (e ela realmente tem os defeitos muito marcantes dela), mas eu também preciso admitir que ela em muitos momentos foi tão minha parceira, minha confidente, minha amada. Eu passei calado por todas as situações que eu já descrevi aqui e muitas outras tão ruins quanto porque, no fundo mesmo, pra mim estava valendo a pena. A gente tinha intimidade, apesar da dificuldade extrema dela de se abrir pra mim. Eu estava sacrificando meu bem estar mental e físico para sustentar o nosso relacionamento.
Tanto que só perto do final do nosso relacionamento que ela assumiu pra mim a atração por outras mulheres. Eu entendo ela, tem gente que não reage bem à isso. Eu tenho certeza que a família dela não reagiria nada bem. Entendo que era um segredo que ela queria deixar só pra ela, e que mesmo com toda a intimidade sexual que a gente tinha, ela também tem o direito de manter coisas só pra ela. É justo.
Só que eu não fiquei com raiva, nem com medo de ela querer me trocar por uma mulher, nem tive essa ideia fetichizada de transar com duas mulheres ao mesmo tempo. Eu sou um cara hétero, mas eu acho o amor lésbico de uma sensibilidade e de uma beleza inexplicável. Eu sempre me sinto mais seguro perto de mulheres, sempre me conecto mais com elas. Desde pequeno eu gosto da presença feminina. Então a ideia de duas mulheres partilhando um relacionamento, parece uma coisa quase mágica pra mim. E de novo, não é nada sexual nem fetichizado, eu realmente só acho muito bonito mesmo. Então qual foi minha reação quando descobri que minha ex tinha vontade de viver isso que eu acho tão incrível? Incentivei ela à correr atrás disso.
Mas é claro que ela, criada numa família extremamente católica, iria simplesmente sair atrás de uma guria do dia pra noite. Foram meses de conversa, de aceitação da parte dela também, de entender que ela não era uma aberração da natureza porque sentia atração pelo mesmo sexo (e também pelo sexo oposto). Nossos últimos meses juntos foram repletos de muitas conversas relacionadas ao mundo LGBT+ e afins. Acho que nós dois também já sabíamos que as coisas não estavam mais super bem entre nós, e que era questão de tempo até a gente se separar. Nosso relacionamento estava bem desgastado mesmo. É estranho porque a gente consegue ser extremamente forte pra parceira quando ela precisa ir correndo pro hospital, ou tem uma crise de pânico, ou não se sente segura na rua e precisa que você pare o seu dia para fazer companhia à ela - mas parece perder a motivação quando essas situações se normalizam e você percebe que talvez aquela pessoa simplesmente não tem a proatividade de te mandar uma mensagem perguntando "como foi seu dia", e de alguma forma sempre está online no whatspp. Sim, nosso relacionamento acabou. E foi bom ter acabado. Eu precisava desse término, muito mais do que eu precisava de uma namorada.
Mas também é muito bom saber que aquela pessoa por quem você passou anos cultivando um sentimento também está vivendo a vida dela. É bom saber que dá pra gente marcar um dia pra devolver as roupas dela que ficaram aqui em casa, sem drama, sem dor de cabeça. Ela foi muito madura no término, eu também. De certa forma nosso namoro acabou, mas continuou como uma amizade - bem menos intensa, bem menos problemática, bem mais fácil de lidar. Mas também sem as partes boas, sem aquela sensação de que se está ajudando a pessoa. Mas é muito mais do que milhares de pessoas separadas têm hoje em dia. Não posso reclamar, eu tenho muita sorte.
Eu só queria mesmo poder partilhar com ela a experiência da descoberta homoafetiva dela. O que não vai acontecer, já que ela já deixou claro que não é obrigada a revelar nada da vida pessoal dela agora que nosso relacionamento terminou - e ela tem total razão nisso. Eu sei disso, eu concordo com isso, e ao mesmo tempo eu acho que ela está sendo tão injusta por me negar esse fato.
Eu sei que não justifica, mas eu me dediquei tanto ao nosso antigo relacionamento juntos. Tive que entender que eu não estava mais sozinho no mundo, eu tinha alguém pra dividir o mundo comigo. Eu tive que aprender a baixar minha guarda, contar o que me dava medo, me expor totalmente à alguém, me desconstruir inteiro. E isso é muito difícil pra mim. Eu sei que ela não me deve nada, e eu sei que eu sou um idiota por me apegar tanto à esse motivo tão besta. Mas isso é realmente importante pra mim. Tem uma coisa dentro de mim que é ansiosa em saber se minha ex está se sentindo acolhida por uma outra mulher, se teve uma boa primeira experiência. De novo, eu sei que soa muito trivial, mas é uma verdade tão grande dentro do meu coração que me faz querer chorar quando lembro que isso nunca vai acontecer.
E não tem nada que eu possa fazer a não ser aceitar. E é exatamente isso que eu venho tentado fazer, pelos últimos 6 meses.
submitted by _powerguido_ to desabafos [link] [comments]


2020.08.23 05:41 Makiromat Preocupado com a minha ex

Tentarei ser extremamente conciso, se for o caso escrevo um tl&dr no final. Contexto: Há 4 anos atrás namorei uma menina suicida que passou por diversos problemas pessoais que não vem ao caso. Namoramos escondido por 9 meses devido aos pais dela não me aprovarem como um bom namorado e eventualmente terminamos graças ao surgimento de novos problemas. Uns 2 meses antes do nosso término, ela estava sentindo sentimentos pelo ex dela o que nos fez ter uma briga relativamente feia, mas passando alguns dias conseguimos continuar como amigos. Passou mais um tempo, eu conheci a minha namorada atual e nesse mesmo ano em que nos conhecemos, ela me pediu para cortar contato com a minha ex, o que eu acabei fazendo, porque meio que vi que ela estava na mesma posição que eu estava anteriormente. Confesso que eu queria ter tido o mesmo culhão que a minha namorada atual teve para pedir isso. Havia uma amiga em comum entre eu e a minha ex que eu também cortei contato por pedido dela.
Desabafo: 4 anos depois(evidentemente xD), ocorreu essa pandemia e recentemente acabei tendo fortes pesadelos que a minha ex acabou se matando nessa última semana. O feeling foi tão forte que eu acabei mandando mensagem para essa amiga que a gente tem em comum. Eu comecei puxando a conversa de "perdão pelo sumiço, eu queria saber como vc estava nessa pandemia, saúde física, emocional, etc..", mas na verdade eu quero que surja a oportunidade para eu poder perguntá-la se ela tem notícia da minha ex sabe, só para saber se ela está bem hoje em dia.(perdão pela falsidade, estou ciente que é feio usar as pessoas como meio de comunicação.) Eu mandei mensagem para uma das pessoas que a minha namorada atual pediu para eu parar de entrar em contato e agora me sinto culpado por isso, mas de verdade, eu me preocupo bastante com o bem estar da minha ex. Acredito fortemente que eu a superei, inclusive não me importo dela estar com outros, ficaria muito feliz se ela conseguir um relacionamento saudável que seja bom para ela! Esse sentimento de preocupação foi tão forte que eu não me sinto muito mal pelo esporro que eu vou tomar quando for contar essa situação para a minha namorada, para vocês terem uma ideia kkk.
Uma coisa que eu queria perguntar para vocês também é: eu fiz errado? noobei? não era para estar nesse conflito emocional? O que eu mais queria era poder ter as 3 na minha vida, minha namorada como a futura mãe dos meus filhos, minha ex e a amiga como pessoas presentes na minha vida, como grandes amizades.
Agradeço quaisquer críticas que vocês queiram dar, se sentirem a necessidade podem me esculachar, todo o criticismo é bem vindo. Obrigado e um ótimo início de semana a todos.
TL&DR: nesses últimos dias tive pesadelos de que a minha ex se matou e acabei mandando mensagem para uma das pessoas que a minha namorada atual pediu para eu n entrar mais.em.contato para saber da situação dela.
submitted by Makiromat to desabafos [link] [comments]


2020.08.21 20:13 FreshhhMeat Dúvida sobre um livro que não consigo me lembrar o nome.

Boa tarde gente, tudo bem com vocês?
Sou meio novo aqui no Reddit, mas acho que é o único lugar onde vou conseguir descobrir o nome desse livro.
Pelo o que me lembro, a história desse livro se passa no passado e conta sobre uma menina/mulher que sempre que ela morre acaba voltando no tempo, para a infância dela se eu não me engano, parece que ela consegue manter todas as memórias das "outras vidas". Assim sempre que ela morre e volta, consegue fazer coisas grandiosas / viver experiências únicas, como por exemplo:liderar uma nação, acabar com o nazismo, etc...
Eu ia comprar este livro mas estava sem o cartão no momento. :C Se puderem me ajudar ficarei muito grato! Obrigado.
submitted by FreshhhMeat to Livros [link] [comments]


2020.08.19 00:08 ItzHaruka Preconceitos estão me derrubando em um poço sem fim.

3x tentando postar... acho que agora foi..
Oi, pessoa que está lendo esse texto agora. Eu gostaria de desabafar sobre algo.. e se voce chegar até o final, adoraria um conselho, pode ser..?
Bem.. tenho 19 anos, sou um garoto transsexual (menina que se vê como menino) e nasci em uma família de Transfobicos religiosos. Desde o começo eu sofri preconceito, independente do que fosse. Eu comecei a namorar aos 12 anos mas desde os 10 eu ja ouvia a minha própria família sendo completamente homofobica comigo, sem eu nem mesmo saber se gostava de garotos ou garotas.. me julgavam, me chamavam de coisas horríveis e diziam que era apenas brincadeira..
Tudo só piorou quando descobri que era trans e gay.. comecei meu novo namoro aos 15 anos.. ele.. por incrível que pareça, estava passando pela mesma situação que eu.. eramos duas meninas que se enxergam como garotos e sofriamos com a homofobia de nossas famílias. Uma vez, na praia, eu resolvi contar pra alguém.. e isso terminou em um adulto de 29 anos (detalhe.. eu tinha 16) tentando me beijar.. eu tentei o parar e fiquei com medo.. me encolhi no canto do carro e não movi um músculo até ele me levar para casa.
Quando cortei meu cabelo.. como as pessoas dizem "joaozinho" recebi tantos insultos... e as pessoas começaram a falar cada vez mais de mim pelas costas... me xingavam... eu.. cheguei a descobrir que meu pai nem mesmo queria que eu tivesse nascido ao ponto de ter pedido um teste de DNA para confirmar se eu era seu filho... as palavras que ele usou me quebraram de tantas formas... "ela é o lado ruim da família, não é possível que seja minha filha" (mesmo eu me assumindo como transsexual.. continuaram a me chamar na forma feminina.. e olha... isso doia...)
Eu... comecei a ser tratado que nem escravo na casa de meus pais... limpando a casa toda sozinho... pra depois as pessoas julgarem dizendo que eu "não limpei direito"..
Eu sinceramente... não consigo mais aguentar... estou a beira do meu limite de cair nesse buraco obscuro que estão me puxando... não sou religioso o que é mais um ponto negativo pra eles.... eu sou um nada..
Não tenho importância alguma... "se acontecer só enterra", eu ouvi me dizerem isso tantas vezes... quando eu tive minhas tentativas de sumir desse mundo.... eu sou tão calado.. que mal tenho coragem de dizer algo... porque sei que irei acabar mal... eu pretendo sair dessa casa... mas até eu conseguir me ajustar... eu realmente não tenho lugar pra ir....
Essa pandemia está acabando comigo.... ter que ficar o dia todo ouvindo essas coisas... me trancar no meu quarto.... eu estou aqui desabafando porque eu sinceramente não aguento mais guardar isso só pra mim.. nao da.. sabe...? Uma hora você chega no seu limite......
Se voce leu até aqui.... eu agradeço..... sinto-me importante por um momento...
submitted by ItzHaruka to desabafos [link] [comments]


2020.08.05 23:15 altovaliriano Sangue de Basilisco: De Harrenhal a Winterfell

Durante sua estadia forçada em Harrenhal, acaba sob a chefia de um homem chamado Wesse que “à sua maneira pequena e empertigada, Weese era quase tão assustador quanto Sor Gregor” (ACOK, Arya VII).
Wesse era um capataz cruel e controlador que sempre era acompanhado por uma cadela feia e malhada que era quase tão má como ele, segundo Arya. A cadela de Weese era violenta e chegou a arrancar “um grande bocado da barriga da perna” (ACOK, Arya VII) de um servente quando Weese atiçou o animal para cima dele.
Entretanto, por mais feroz que fosse a cadela, Weese a criara desde filhote e estava claro até mesmo para Arya que “só uma magia negra qualquer poderia fazer que o animal se voltasse contra ele” (ACOK, Arya IX). Esta opinião parece ser dividida pelas pessoas que presenciaram a morte de Weese:
Uma dúzia de pessoas chegou lá antes dela, embora nenhuma se aproximasse muito. Arya abriu caminho entre elas, contorcendo-se. Weese estava estatelado nas pedras, com a garganta transformada numa ruína vermelha, olhos abertos, sem ver, na direção de uma escarpa de nuvens cinzentas. A feia cadela malhada estava em pé sobre seu peito, bebendo o sangue que saía pulsando do seu pescoço, e de quando em quando arrancando um pedaço de carne da cara do morto.
Por fim, alguém trouxe uma besta e matou a cadela enquanto esta se entretinha com uma das orelhas de Weese.
Que coisa maldita – ouviu um homem dizer. – Ele tinha aquela cadela desde filhote.
Este lugar está amaldiçoado – disse o homem com a besta.
É o fantasma de Harren, é o que é – lamentou-se a governanta Amabel. – Não durmo aqui nem mais uma noite, juro.
Arya ergueu o olhar do homem e do seu cão, ambos mortos. Jaqen H’ghar estava encostado na parede da Torre dos Lamentos. Quando a viu olhando, ergueu uma mão e pousou casualmente dois dedos no rosto.
(ACOK, Arya VIII)
Arya estava tão impressionada em ver a transformação da cadela, que questionou Jaqen na primeira oportunidade que teve. Infelizmente, o fato de Jaqen ter adivinhado sua identidade a impressionou o suficiente para ela deixar a questão de Weese de lado.
Como fez com que o cão matasse Weese? Conjurou Rorge e Dentadas do inferno? Jaqen H’ghar é o seu nome verdadeiro?
Alguns homens têm muitos nomes. Doninha. Arry. Arya.
(ACOK, Arya IX)
Felizmente, Arya sutilmente lembra deste episódio quando esta aprendendo sobre venenos com a Garota Abamdonada na Casa do Preto e Branco, e assim o leitor obtém sua resposta sobre o metódo empregado por Jaqen.
Esta pasta está temperada com sangue de basilisco. Dá um aroma saboroso à carne cozida, mas, se for comida, produz uma loucura violenta, tanto em animais como nos homens. Um rato atacará um leão depois de provar sangue de basilisco.
Arya mordeu o lábio.
E isso funciona em cães?
Em qualquer animal de sangue quente
(AFFC, Gata dos Canais)
Pois bem, existe nas Crônicas outro personagem conhecido por ser um torturador e ter cães treinados para atacar outras pessoas.
[…] Ramsay adorava soltar suas garotas para que latissem nas trilhas, atrás de alguma presa fresca.
(Fedor II)
Os melhores lugares, perto do estrado, estavam ocupados pelos favoritos de Ramsay, os Rapazes do Bastardo. Ben Ossos, o velho que mantinha os amados cães de caça de sua senhoria.
(Fedor I)
Os cães se juntaram ao redor deles, mordendo e rosnando para os estranhos. As garotas do Bastardo, Fedor pensou, antes de se lembrar que nunca, nunca, nunca deveria usar essa palavra na presença de Ramsay.
(Fedor II)
Quando se refere a “presas”, sabemos que Fedor fala em seres humanos. Mulheres, em específico.
Ben Ossos, que gostava mais das cadelas do que do seu mestre, contara a Fedor que todas recebiam seus nomes de garotas camponesas que Ramsay havia caçado, estuprado e matado quando ainda era um bastardo, andando com o primeiro Fedor.
Mas só aquelas que lhe proporcionaram um bom esporte. As que choraram e imploraram e não correram não conseguiram voltar como cadelas. – A próxima ninhada a chegar aos canis de Forte do Pavor incluiria uma Kyra, ele não duvidava.
Entretanto, quanto a estas cadelas, Martin foi ainda mais específico dizendo que as Garotas do Bastardo foram criadas para atacar lobos, com ênfase no lobo dos filhos de Ned Stark.
Ele as treina para matar até lobos – Ben Ossos confidenciara. Fedor não disse nada. Sabia quais lobos as garotas foram feitas para matar, mas não queria assistir às garotas lutando por um dedo seu cortado fora.
(Fedor III)
Os lobinhos do Stark estão mortos – disse Ramsay, despejando mais cerveja em sua caneca – e permanecerão mortos. Deixe que eles mostrem suas caras feias, e minhas garotas rasgarão os lobos deles em pedaços. Quanto mais cedo aparecerem, mais cedo os matarei de novo.
(Fedor III)
Somando todos estes fatores (Stark, mulher e lobo) vemos que as cadelas de Ramsay foram preparadas por GRRM como antagonistas naturais de Arya e Nymeria. Caso esta garota venha a retornar ao Norte, Ramsay usar suas cadelas contra a “menina sem rosto” e warg parecerá apenas uma convergência das pistas que GRRM deixou na trama…
… assim como não pareceria gratuito que Arya usasse sangue de basilisco para fazer com que as cadelas atacassem o próprio mestre, virando o feitiço contra o feitceiro, em um assassinato digno de um homem sem rosto.
Muitos leitores sugerem que o encontro entre Arya e Ramsay ocorreria após Jeyne Poole chegar a Braavos (assumindo que ela não ficaria em Castelo Negro agora que Jon está morto) e procurar a Casa do Preto e Branco para conseguir uma morte pacífica (depois de todos os traumas sofridos), de modo que Arya ficaria sabendo de toda a farsa envolvendo seu nome. Assim, Arya assumiria a identidade de Jeyne Poole e retornaria a Westeros para liquidar Ramsay.
Essa teoria tem diversos benefícios e ainda o número de coincidências poderia ser ainda maior, fazendo com que o retorno de Arya a Westeros fosse mais satisfativo do que problemático. Vejam bem, Jeyne Poole poderia encomendar a morte Ramsay aos homens sem rosto, dando sua própria vida como pagamento.
Como Arya seria a pessoa mais indicada para representar alguém disfarçado como sendo ela, além de nunca ter conhecido Ramsay na vida, ela seria o agente perfeito para a Casa do Preto e Branco enviar para cumprir a tarefa. O único empecilho poderia ser o grau de treinamento que a garota teria alcançado.
Entretanto, a julgar pelas mortes que sabemos que Arya tem executado até o momento, sabemos que ela está cultivando duas especialidades muito necessárias para executar o plano que GRRM está desenhando contra Ramsay, quais sejam, sedução submissa (TWOW, Mercy) e estratégias complexas de envenenamento (ADWD, A garotinha feia).
Mas, alguém poderia perguntar, por que seria necessário veneno para que as cadelas atacassem Ramsay? Elas não seriam ferozes o suficiente para que, em circunstâncias específicas, as cadelas se virassem contra o próprio dono? Bem, alguns poderia arguir que, assim como ocorreu com Weese, seria necessário que as cadelas de Ramsay necessitassem de um incentivo muito forte para se virarem contra seu dono de uma vida inteira.
Na séria da HBO, o papel de providenciar que os cães devorassem Ramsay coube a Sansa, pois os roteiristas fundiram as histórias de Jeyne Poole com a dela, especificamente a partir do 5º livro. O “empurrão extra” foi os cães terem sido privados de comida por 7 dias. Na cena, Ramsay estava amarrado, ferido e coberto de sangue, o que atraiu os animais para fora de seus canis e desencadeou o ataque.
No fim, este seria outro método razoável de executar a morte de Ramsay sem o emprego do sangue de basilisco. E por isso alguns (como o site Drunkenwookie) afirmam que o sangue de basilisco não seria usado nas cadelas de Ramsay, mas nos lobos da matilha de Arya nas Terras Fluviais, que seriam usados para atacar as gêmeas. Entretanto, essa tese tem problemas, justamente porque sabemos que os lobos da matilha de Nymeria não temem humanos há muito tempo:
Nas redondezas do Olho de Deus, as matilhas tornaram-se mais ousadas do que se tem registro. Ovelhas, vacas, cães, não importa, matam o que bem quiserem, e não têm medo dos homens.
(ACOK, Arya II)
Os lobos tornaram-se terríveis nos últimos tempos. Há lugares onde um homem sozinho faria bem em encontrar uma árvore para dormir. Ao longo de toda a vida, a maior alcateia que vi tinha menos de uma dúzia de lobos, mas a grande alcateia que percorre agora o Tridente chega a centenas.
(AFFC, Brienne V)
Perderam todo o medo do homem. Alcateias atacaram nossa coluna logística durante a viagem desde as Gêmeas. Nossos arqueiros tiveram de encher de flechas uma dúzia antes de os outros fugirem.
(AFFC, Jaime IV)
No dia seguinte, Sor Dermot da Mata de Chuva regressou ao castelo de mãos vazias. Quando lhe perguntaram o que encontrara, respondeu: – Lobos. Milhares dos malditos bichos – tinha perdido dois sentinelas para os lobos. Tinham saltado da escuridão para atacá-los. – Homens armados revestidos de cota de malha e couro fervido, e mesmo assim as feras não tiveram medo deles. Antes de morrer, Jate disse que a alcateia era liderada por uma loba de tamanho monstruoso. Um lobo gigante, a julgar por suas palavras. Os lobos também penetraram em nossas linhas de cavalos. Os malditos bastardos mataram meu baio preferido.
(AFFC, Jaime VII)
Desse modo, a explicação para que Arya prefira o sangue de basilisco a deixar as cadelas de Ramsay sem comida por sete dias seja simplesmente que Arya não tenha sete dias à disposição para realizar uma vingança lenta e excruciante, sendo necessário mortes mais rápidas.
O que vocês acham?
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2020.07.30 13:25 AerialFriend Tenho quase certeza que o consumo de pornografia me manteve virgem

Bom, meu primeiro contato com o assunto sexo foi aos 8 anos, e da maneira errada. O que fez com que eu começasse a consumir pornografia muito cedo (10-11 anos) e eu nem preciso dizer o quão problemático é alguém tão jovem assistir à esse tipo de conteúdo né.
Isso, obviamente influenciou muito na minha relação com mulheres e na na forma como eu via e entendia o sexo, uma forma totalmente distorcida. A questão é, mesmo que a pornografia cause fobia social, o que é péssimo pra alguém muito tímido naturalmente igual à mim, eu nunca fui o "pega ninguém".
Nunca fiquei muito tempo sem beijar, e era até relativamente fácil conseguir beijar uma menina, eu me considero bonito e nunca fiz muito esforço pra me relacionar com alguém mesmo de forma casual, mas nunca consegui chegar lá, na última etapa, mesmo tendo várias oportunidades.
É como se eu não conseguisse me sentir pronto de maneira alguma, e com medo, por saber que o sexo não ia ser igual a pornografia que eu estava tão acostumado a ver. Inclusive, uma das épocas que mais consegui me relacionar bem com garotas e onde mais cheguei perto de transar, foi justamente o ano que consumi menos pornografia.
No final das contas, tenho 20 anos e o máximo de qualquer atividade sexual que consegui foi ganhar um fap fap, e chupar os seios de uma mina. Não importa o que digam, que cada um tem seu tempo, e que uma hora acontece porque todos estão destinados, isso é papo furado! Não importa se você é um cara bacana ou um fudido completo, por mais que exista uma louca pra te dar em algum canto do mundo, não fique sentado esperando que isso vá acontecer, porque não vai. Determinismo biológico ou destino não fazem sentido nessa questão, chegar aos 20 anos virgem é frustrante e estranho sim.
Não estou dizendo que a culpa de ainda ser virgem é somente e apenas da pornografia, mas que meu vício nela foi um fator principal. O que vocês acham? Estou pirado ou isso faz algum sentido?
submitted by AerialFriend to desabafos [link] [comments]


2020.07.28 03:02 IsmaelDeOliveira Eu não consigo chegar na mina mesmo sabendo que ELA JÁ ESTÁ AFIM

Primeiro post meu aqui, então me desculpem qualquer coisa.
Galera, é muito constrangedor. Eu nunca sei o jeito certo de me aproximar ou de engajar em uma conversa com a pessoa mesmo já sabendo as intenções dela. Todas as vezes que eu beijei uma garota foi no total impulso, pois o "clima" já estava estabelecido (ex. estávamos dançando juntos, já tínhamos flertado pela internet, ela me beijou, etc) mas, quando o problema é chegar junto e soltar um papo, eu nunca consigo. Ainda mais se for pessoalmente e a pessoa seja uma desconhecida. A primeira vez que eu tentei me aproximar--após horas, HORAS. Eu tô falando de umas 8h--, eu só consegui dizer "quer ficar comigo?". E, sim, eu já sabia que ela queria ficar comigo, mas eu não consegui falar nada mais do que isso. Ela riu da minha cara. Provavelmente, ela esperava que eu não fosse com tanta sede ao pote. Fiquei super envergonhado. Após isso, a minha insegurança de me aproximar de meninas em festas (ou qualquer rolê) aumentou mais ainda, porque se eu não sei criar um papo com uma mina que já quer ficar comigo, como eu vou fazer outra ficar afim? O que vocês acham que eu devo fazer para conseguir chegar nas garotas, mesmo nas que já querem ficar comigo?
Esclarecimento: quando eu falo "já sei que ela quer ficar comigo" é porque, primeiro, nos rolês, geralmente, a mina manda alguém dizer que ela tá afim; segundo, eu percebi a mina olhando pra mim várias vezes ou coisa do tipo.
submitted by IsmaelDeOliveira to desabafos [link] [comments]